Seguros pela Internet exigem cuidados

Na opinião de especialistas, o aumento de fraudes no setor de seguros por causa da proliferação de sites do gênero ainda é preocupante. Embora não existam casos oficiais, considerando-se que a Internet é um instrumento novo, a preocupação já chegou à Superintendência de Seguros Privados (Susep), que decidiu criar um grupo de trabalho para estudar o assunto a partir desta semana.Segundo o secretário-geral da entidade, Ricardo Xavier, a equipe terá um prazo de 90 dias para concluir os estudos a serem utilizados com o objetivo de regulamentar a intermediação de seguros pela Internet. Reconhecendo que os contratos virtuais são uma tendência inevitável, Xavier recomenda a presença física do corretor na hora de se firmar a contratação do seguro, que é um produto complexo.A validade jurídica da contratação de um seguro feita pela Internet também é contestada. "O risco de o consumidor não ser assistido pela seguradora em caso de sinistro é maior, pois pode descobrir que a cobertura nunca existiu", afirma o advogado da Manhães Moreira, Robson França. Para ele, a rede impede que o consumidor saiba exatamente com quem está tratando.França ainda lembra que, numa corretora real, corretor e endereço são físicos, ao passo que, pela Internet, pode ser mais difícil localizar os envolvidos em uma possível fraude "Um corretor responde civil e criminalmente, mas quem é o responsável nos sites?", questiona. O advogado acrescenta que, para alguém ter certeza da efetivação do negócio e rastrear o contrato, é necessária uma perícia técnica específica, feita por um profissional de informática, por exemplo. Nesse caso, os custos seriam ainda maiores.Burocracia na era da InternetEm caso de prejuízos com o bem segurado via Internet, o consumidor pode ter dificuldades para saber a quem recorrer, pois parte dos sites distribuidores apenas limita-se a indicar a porta da seguradora como opção de atendimento. Quem já contatou uma dessas empresas sabe que vai encontrar pela frente burocracia e ter dificuldade para provar o ocorrido. É nessa hora que descobre-se a importância do acesso a um bom corretor de seguros. Tido como despachante e intermediário pelos consumidores mais experientes, o corretor é indispensável nessas circunstâncias. Nesse cenário, ganham pontos as corretoras veteranas que entraram na disputa de mercado pela Internet. Alguns sites têm até links para registrar sinistro: basta informar nome e senha e serguir o passo-a-passo indicado.Veja mais informações sobre seguros no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.