Seguros: preços mais transparentes

Entre janeiro e abril o Procon de São Paulo atendeu 514 consultas sobre problemas com seguros de veículos e registrou 58 reclamações. A maior parte é referente ao não pagamento de indenizações ou discordância nos valores ressarcidos. Técnicos do Procon e os representantes das seguradoras apostam que as reclamações desse tipo devem cair.Isso por conta da obrigatoriedade de uma tabela de preços, que deve ser anunciada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) nos próximos dias. Atualmente as empresas não são obrigadas a utilizar uma lista de preços. Elas realizam cotações de mercado para avaliar o preço do veículo ou trabalham com um valor fixo estipulado na apólice. Tabela vai dar mais transparência ao mercado De acordo com a Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados de Capitalização (Fenaseg), a maioria das empresas deverá utilizar, a partir de agosto, a tabela mensal que está sendo feita pela Fipe. A tabela começou a ser divulgada em maio e tem como base preços coletados em concessionárias, lojas independentes, feiras e anúncios de jornais.O diretor operacional da Marítma, José Carlos de Oliveira, diz que os números são confiáveis e refletem uma média de preços. O segurado poderá optar por um plano que estabeleça porcentuais acima ou abaixo da tabela. A Sul América acredita que o uso de uma lista deverá reduzir em 90% os problemas com valor de ressarcimento dos seguros. O uso do indicador deve constar do contrato feito entre a seguradora e o consumidor. Enquanto a regularização das tabelas ainda não é obrigatória, os consumidores que tiveram problemas com o ressarcimento do valor do seguro estão recorrendo à Justiça para receberem o valor que constava da apólice.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.