Seis ex-embaixadores dos EUA opinam sobre o Brasil

A Revista Update, da Câmara Americana de São Paulo (Amcham), mostra o depoimento de seis embaixadores americanos que trabalharam no Brasil e que dão suas opiniões sobre o País. Eles salientam que as maiores conquistas brasileiras são a democracia e a liberdade. Em sua opinião, o maior desafio é promover uma inserção bem sucedida na economia internacional. De todos os que representaram Washington desde o início dos anos 1960, oito estão vivos e seis responderam a três perguntas feitas pela Update. A primeira pergunta foi: o que aconteceu com o Brasil desde sua época aqui? A segunda foi: o caminho do desenvolvimento brasileiro, como sugeriu recentemente Peter Drucker, é acreditar nas dimensões do País e no peso do mercado interno, ou continuar a abertura para o vasto mundo? A terceira, uma espécie de simulação com papéis trocados: o que recomendam aos negociadores brasileiros na Alca e na OMC? Segundo a Update o que há de comum nas respostas é o carinho com que os embaixadores falam do Brasil. De modo geral, valorizam a democracia e a liberdade. Todos - salvo, em parte, Lincoln Gordon - passam ao largo das profundas desigualdades sociais, étnicas e regionais que marcaram a trajetória do Brasil nesses quarenta anos. Todos, segundo a publicação da Amcham, criticam o protecionismo que deixou o Brasil relativamente "autárquico" entre as décadas de 1930 e 1990. Vários reconhecem que o protecionismo dos EUA é uma barreira séria ao comércio exterior brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.