Selic: possível elevação até o final de ano

O consenso que existia, até há pouco tempo, de que a tendência dos juros no Brasil para este ano e início do próximo seria de queda, deixou de existir. Agora há apostas de que a rota dos juros poderá ser ascendente. Alguns economistas começam a temer que o Banco Central (BC) venha a subir a taxa básica de juros (Selic) no futuro e que o crescimento econômico esperado para o ano que vem possa ficar comprometido. A piora da conjuntura internacional, que teve reflexos no Brasil bem aparentes pela alta do dólar na última semana, é o que está pesando na análise dos que prevêem que o crescimento no ano que vem talvez seja menor. A crise política e econômica na Argentina e o alto preço do petróleo concentram atenções, mas há outros fatos de peso negativo no cenário externo atual. Entre eles, os conflitos entre israelenses e palestinos, o baixo preço de produtos de exportação brasileiros no mercado internacional, a fraqueza do euro e a possibilidade, ainda que vaga, de alta da taxa de juros nos Estados Unidos. A soma desses fatos negativos cria um ambiente desfavorável à economia brasileira. O ex-diretor do BC e da Petrobrás, Carlos Thadeu de Freitas, atualmente no Ibmec é um dos que considera possível um aumento de juros no futuro, com redução do ritmo de crescimento. "O BC não deve mexer nos juros agora, mas se o cenário piorar e o dólar continuar subindo, provavelmente o BC deverá elevar os juros", diz Freitas. Juros estáveisHá, porém, economistas com outra visão. O ex-diretor do BC e sócio da MCM Consultores, José Júlio Senna, disse que não sabe se a taxa anual de juros no Brasil estará em 15% no início do ano, mas também não vê qualquer razão para que a taxa Selic seja elevada além do patamar atual de 16,5%. O diretor do BC de Política Monetária, Luiz Fernando Figueiredo, avalia que a alta do dólar, do petróleo e as incertezas do mercado sobre a Argentina não deverão trazer grandes impactos nos índices de preços e é a inflação que orienta as decisões sobre taxas de juros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.