Sem a Varig, Sata começa a demitir

Companhia aérea representava metade do faturamento da empresa

Alberto Komatsu, RIO, O Estadao de S.Paulo

29 de outubro de 2008 | 00h00

A empresa que já teve a hegemonia dos serviços aeroportuários no País, a Sata, iniciou a demissão de 2 mil funcionários, ou cerca de 60% da sua folha de pagamento, de acordo com o Sindicato Nacional dos Aeroviários. Segundo dois trabalhadores demitidos, o motivo foi a perda de seu maior cliente, a Varig, que respondia por pelo menos 50% do faturamento. A Varig e a Fundação Ruben Berta, controladora da Sata, foram procuradas, mas não retornaram até o fechamento desta edição."Fui incluído na lista (de cortes) depois de 29 anos de empresa. Vou entrar na Justiça porque a demissão é ilegal, sou diretor do sindicato", afirma o operador de reboque de aviões, Washington Luis de Sousa, enfatizando que o critério de cortes seria maior tempo de empresa.O auxiliar de rampa João Carlos Valentim está em situação parecida. "Sou do sindicato e também pretendo recorrer à Justiça", disse ele, há 13 anos na Sata. A secretária-executiva do sindicato, Selma Balbino, diz que enviou um documento à Sata, questionando as demissões. Além da Varig, a OceanAir também vai deixar de usar os serviços da Sata: informou que o contrato vence neste mês e que não será renovado. Para a operação da Sata no Santos Dumont, só restarão dois vôos diários com a Team.No Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão), a Sata trabalha para as companhias TAP (Portugal), TAAG (Angola), Lan Chile e para as brasileiras Total (cargas), VarigLog e Flex. Só no Galeão, 100 pessoas foram demitidas na segunda-feira, contam os sindicalistas. Eles relatam que há mais de dois anos a Sata não deposita o FGTS nem fornece auxílio-refeição. Tanto Sousa quanto Valentim têm dúvidas se vão receber as verbas rescisórias e temem pela falência da empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.