coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Sem acordo, Bolívia exige que Petrobras entregue combustível

A Superintendência dos Hidrocarbonetos da Bolívia determinou que a Petrobras entregue, mesmo sem ter assinado contrato, combustíveis de suas refinarias bolivianas à estatal local YPFB, que no sábado assume novamente o monopólio na distribuição de derivados de petróleo no país. Segundo a estatal brasileira, as duas partes não conseguiram chegar a um acordo sobre os termos dos novos contratos de venda de combustíveis pelas refinarias, o que levou o órgão regulador boliviano a baixar uma resolução administrativa determinando a entrega dos produtos.Em nota oficial, a Petrobras informou acreditar que a Superintendência de Hidrocarbonetos honrará uma promessa de analisar os pleitos da Petrobras em relação aos novos contratos. Estão em discussão pontos como o ressarcimento dos custos de transporte de combustíveis e as garantias pelo pagamento dos produtos vendidos pelas refinarias. "A Petrobras manifesta sua disposição em firmar o contrato assim que forem definidos aspectos essenciais da operação", afirma o texto.A Petrobras deixará o negócio de distribuição na Bolívia por determinação da nova lei dos hidrocarbonetos do país vizinho, editada em maio do ano passado. A empresa atuava no setor por meio da Empresa Boliviana de Distribuição (EBD), vendendo gasolina e óleo diesel em todo o território boliviano. Fontes da estatal dizem que a empresa pode abandonar também os postos que opera no País, mas a companhia afirmou ontem que essa decisão será tomada "em momento oportuno".Os bolivianos querem a participação do governo brasileiro nas negociações sobre as margens de transporte do combustível. "A Petrobras encaminhará esse pleito a Brasília, mas não pode comprometer-se com a anuência do governo brasileiro em ser co-signatário de um ato de gestão do governo boliviano", ressaltou a empresa brasileira, dizendo que manterá o transporte dos produtos em caráter emergencial até que a YPFB possa assumir a função.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.