Sem acordo entre Bank of America e investidores

Na segunda-feira, em um reunião realizada no Rio de Janeiro, o advogado José Eduardo Carneiro Queiroz, do Escritório Mattos Filho, encontrou-se com investidores de fundos de derivativos do Bank of America, cujas carteiras sofreram forte perdas em junho - Bank of America High Yield FIF, Bank of America Dinâmico FIF e Bank of America Moderado FIF. Queiroz representa o banco e, nessa reunião, entregou aos investidores uma carta com as intenções da instituição. O encontro foi promovido pelo advogado Francisco Costa e Silva, sócio do escritório Bocater, Camargo, Costa e Silva e Associados, que representa 115 cotistas desses fundos. Segundo o advogado Costa e Silva, os investidores não tomaram nenhuma decisão e ainda aguardam um parecer da CVM sobre as perdas. Ele destaca que o banco tem se negado a prestar informações sobre a composição da carteira em junho, reclamação essa que faz parte do processo administrativo instaurado pelo escritório junto à CVM.De acordo com a carta do advogado do Bank of America, "o desempenho dos fundos foi negativamente afetado pela situação no mercado financeiro brasileiro naquele momento, com grande falta de liquidez (escassez de negócios) e crescimento da volatilidade (oscilações), o que afetou as operações conduzidas por diversos agentes de mercado". Além disso, segundo o texto, as perdas foram originadas "de riscos inerentes à sua política e estratégia de investimento, conforme alertado pelos regulamentos e prospectos dos Fundos". O advogado Costa e Silva, que representa alguns investidores, contesta essa explicação. Segundo ele, as carteiras tinham limites de perdas estabelecidos no prospecto, os quais não foram cumpridos. A carta termina com a proposta de ressarcimento das perdas, sem citar, contudo, de quanto será esse valor ou a porcentagem em relação à perda. Nesse ponto, Costa e Silva contesta a atitude do banco, principalmente a de impor um prazo para que o investidor tome essa decisão - final de outubro. Veja mais informações sobre o caso no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.