coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Sem acordo, greve está mantida na Petrobras

Terminou sem acordo o segundo dia de reuniões entre a Petrobrás e os petroleiros para tentar pôr fim à greve de cinco dias iniciada pela categoria na segunda-feira. A paralisação será mantida hoje, dia em que a Federação Única dos Petroleiros (FUP) estabeleceu para reavaliar o movimento. A FUP não informou, porém, se a greve será mantida na semana que vem."Ao final de três dias de negociação, a Petrobrás não atendeu as reivindicações da categoria e ainda ameaça punir os trabalhadores grevistas", afirmou a FUP, em nota. Petrobrás e os trabalhadores ficaram reunidos até às 4h de quinta-feira e reiniciaram as negociações à tarde. Segundo os petroleiros, porém, não houve avanço.Em nota distribuída no fim da noite, a Petrobrás negou as ameaças, mas disse que pode instalar procedimentos administrativos para averiguar "eventuais excessos cometidos durante o movimento". "Em nenhum momento houve ameaça de demissão ou punição aos trabalhadores em greve."A greve fechou o quarto dia com mobilização em todas as unidades da Petrobrás, segundo a FUP. A Petrobrás disse que não houve prejuízo às atividades da companhia. Equipes de contingência trabalham na manutenção das operações nas principais unidades.Segundo a FUP, os principais desentendimentos são sobre mudanças no sistema de saúde e segurança da estatal e ao pagamento de horas extras. Em outro ponto da pauta, o aumento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), houve contraproposta. Os petroleiros pedem ainda garantia de emprego nas empresas terceirizadas. A reavaliação da greve, com possibilidade de extensão do prazo deve ser feita na tarde desta sexta-feira.

Nicola Pamplona, RIO, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.