Sem acordo no TST, greve nos Correios continua

Presidente do Tribunal se compromete a mediar negociações entre trabalhadores e estatal até o fim do mês

Gerusa Marques, da Agência Estado,

07 de julho de 2008 | 12h14

A audiência entre representantes dos trabalhadores dos Correios e dirigentes da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) no Tribunal Superior do Trabalho terminou sem acordo nesta segunda-feira, 7. Com isso, a greve dos trabalhadores continua em todo o País.   O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Rider Nogueira de Brito, propôs na audiência que os trabalhadores da ECT encerrem a paralisação, iniciada no último dia 1º. Ele se comprometeu a mediar a negociação entre trabalhadores e a estatal. Segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos (Fentect), a greve atinge os trabalhadores de 23 Estados, mais o DF.   A proposta do ministro ainda será levada às assembléias dos sindicatos em todo o País, previstas as 16 horas. O secretário da Fentect, Manoel Cantoara, disse que as assembléias são soberanas e que a tendência é de manutenção da greve, já que a empresa, segundo ele, não cedeu em nenhuma das reivindicações. Em Brasília, a decisão de continuidade da paralisação já foi tomada nesta segunda.   Já o ministro Rider de Brito disse que se sua proposta não for aceita, no próximo dia 15 ele vai designar um relator para que seja julgado pelo tribunal o pedido de abusividade da greve. Caso a categoria decida suspender a paralisação, Rider marcará reuniões todas as terças e quintas-feiras, até o fim do mês, com as duas partes, para negociar as reivindicações.   Os empregados querem o pagamento de adicional de risco aos carteiros; participação nos lucros da empresa e participar da elaboração do Plano de Cargos e Salários.   (com Giuliana Vallone, do estadao.com.br)

Tudo o que sabemos sobre:
CorreiosGreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.