Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Sem acordo para reverter demissões, trabalhadores da Volks mantêm greve

Sindicato diz que empresa não tem proposta concreta para suspender demissões; paralisação chega ao nono dia

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

14 de janeiro de 2015 | 10h18

Trabalhadores da Volkswagen decidiram manter a greve, por tempo indeterminado, após não chegarem a um acordo com os diretores da montadora durante a primeira reunião de negociação realizada na tarde dessa terça-feira. A decisão foi tomada no início da manhã desta quarta-feira, 14, durante assembleia da categoria na porta da fábrica de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.

A assessoria de imprensa do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou que a Volks não apresentou proposta concreta para suspender as 800 demissões confirmadas pela montadora para fevereiro. A revogação dos cortes é uma das condições impostas pela categoria para encerrar a greve, que chega ao nono dia hoje. Novas reuniões entre patrões e empregados devem acontecer até o fim da semana, diz a entidade.

Ontem, o presidente do sindicato, Rafael Marques, se reuniu por pouco mais de uma hora com o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, no Palácio do Planalto, para apresentar a pauta de reivindicações aprovada pela categoria durante ato na Via Anchieta, na última segunda-feira, em São Paulo. Entre os pedidos, o principal é a aprovação do Programa Nacional de Proteção ao Emprego no 1º trimestre deste ano.

Em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o dirigente sindical afirmou que o ministro prometeu que entraria em contato com a direção da Volkswagen para pedir a suspensão das demissões para que trabalhadores e montadoras retomem as discussões sobre a reestruturação do acordo vigente desde 2012 e que garantia estabilidade do emprego até março de 2017. Em troca disso, os 13 mil funcionários da Volks suspenderiam a greve.

Proposta. Segundo Marques, a última proposta de adequação do acordo feita pela empresa foi recusada pelos funcionários em assembleia realizada no dia 2 de dezembro. A proposta, de acordo com a assessoria da Volks, previa o "aditamento" do acordo atual, com a "continuidade" de formas de adequação de efetivo por meio de programas de demissão voluntária e de suspensão de terceirizados para alocação de parte do pessoal excedente.

Em contrapartida, a montadora "modificava" na proposta as regras de reajustes de salários e participação nos resultados. Em nota à imprensa, a Volks confirmou que foi procurada por representantes dos governos federal, estadual e municipal e informou que "retomou", na tarde dessa terça-feira, as negociações com o sindicato. Procurada pela reportagem, a empresa não se pronunciou após o encontro.

Tudo o que sabemos sobre:
Volkswagensetor automobilísticogreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.