CLAYTON DE SOUZA/ESTADAO
CLAYTON DE SOUZA/ESTADAO

Sem acordo salarial, bancários de todo o País entram em greve nesta terça-feira

Entre as reivindicações, categoria pede reajuste salarial de 16%, contra uma proposta dos bancos de 5,5%; durante o período da paralisação, caixas de autoatendimento continuarão funcionando

André Ítalo Rocha, O Estado de S. Paulo - Atualizado às 12h de 6/10

05 de outubro de 2015 | 20h35

SÃO PAULO - Após cinco rodadas frustradas de negociações com os patrões, bancários de todo o País decidiram entrar em greve a partir desta terça-feira, por tempo indeterminado, segundo comunicado publicado nesta segunda-feira pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Entre as reivindicações, a categoria pede reajuste salarial de 16% (reposição da inflação mais aumento real de 5,6%), contra uma proposta dos bancos de 5,5%.

Os bancários também querem vale-refeição e vale-alimentação no valor de um salário mínimo (R$ 788), manutenção do emprego e melhores condições de trabalho, com o fim das metas que consideram abusivas. Diante do impasse, assembleias em todo o Brasil definiram greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira.

"Esperamos que os bancos retomem as negociações o mais rápido possível, com reajuste compatível com a riqueza do setor", disse Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários. 

Durante o período de greve, os caixas de autoatendimento e o serviço de internet banking continuarão funcionando para atender à população. O Comando Nacional dos Bancários também encaminhou às instituições financeiras o calendário até a deflagração da greve (por lei, a greve deve ser aprovada em assembleia dos trabalhadores e, após isso, comunicada ao empregador com antecedência de 72 horas).

Veja os Estados, cidades e regiões que decretaram greve, segundo a Contraf-CUT:

ABC (SP)

Acre (AC)

Alagoas (AL)

Alegrete (RS)

Amapá (AP)

Angra dos Reis (RJ)

Apucarana (PR)

Araranguá (SC)

Arapoti (PR)

Bahia (BA)

Barra do Garças (MT)

Barretos (SP)

Belo Horizonte (MG)

Blumenau (SC)

Bragança Paulista (SP)

Brasília (DF)

Campina Grande (PB)

Campinas (SP)

Campo Grande (MS)

Campo Mourão (PR)

Campos de Goytacazes (RJ)

Carazinho (RS)

Cariri (CE)

Caxias do Sul (RS)

Catanduva (SP)

Ceará (CE)

Chapecó (SC)

Concórdia (SC)

Cornélio Procópio (PR)

Criciúma (SC)

Curitiba (PR)

Dourados (MS)

Extremo Sul da Bahia (BA)

Feira de Santana (BA)

Florianópolis (SC)

Guarapuava (PR)

Guarulhos (SP)

Ipatinga (MG)

Itabuna (BA)

Itaperuna (RJ)

Irecê (BA)

Joaçaba (SC)

Juazeiro (BA)

Jundiaí (SP)

Limeira (SP)

Londrina (PR)

Macaé (RJ)

Mato Grosso (MT)

Mogi das Cruzes (SP)

Naviraí (MS)

Niterói RJ

Nova Friburgo (RJ)

Paraíba (PB)

Pará (PA)

Paranavaí (PR)

Passo Fundo (RS)

Pernambuco (PE)

Petrópolis (RJ)

Piauí (PI)

Piracicaba (SP)

Ponta Grossa (PR)

Porto Alegre (RS)

Rio de Janeiro

Rondônia (RO)

Rondonópolis (MT)

Roraima (RR)

Santa Cruz do Sul (RS)

Santa Maria (RS)

São Miguel do Oeste (SC)

Santa Rosa (RS)

São Borja (RS)

São Paulo (SP)

Sergipe (SE)

Taubaté (SP)

Teófilo Otoni (MG)

Teresópolis (RJ)

Toledo (PR)

Três Rios (RJ)

Umuarama (PR)

Vale do Paranhana (RS)

Vale do Ribeira (SP)

Vacaria (RS)

Videira (SC )

Vitória da Conquista (BA)

Zona da Mata e Sul de Minas (MG)

Mais conteúdo sobre:
grevebancários

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.