coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Sem acordo, VW pode anunciar demissões imediatamente

O gerente-corporativo de Recursos Humanos da Volkswagen do Brasil, Nilton Júnior, afirmou que a montadora pode anunciar imediatamente demissões, caso não haja acordo com o sindicato dos metalúrgicos. Nesta quarta-feira, os dirigentes da empresa terão uma reunião com representantes do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, na Grande São Paulo, para discutir a reestruturação produtiva da empresa, que incluirá cortes de custos.O sindicato afirma que a companhia pretende demitir 5,7 mil pessoas no Brasil até 2008, número que, mais uma vez, a montadora não confirmou. Segundo Nilton Júnior, líderes sindicais já se recusaram a negociar três vezes, mas a montadora mantém o objetivo de conseguir 25% a menos de custos por veículo produzido daqui para frente. "Se eles não se sentarem à mesa de negociação, nós vamos ter que continuar com as metas", declarou.O vice-presidente de Recursos Humanos da Volks, Josef Senn, afirmou que a empresa não tem um número fechado de cortes, inclusive, porque o cenário pode se modificar. De acordo com ele, uma coisa é certa: não haverá mais um acordo de estabilidade para os empregados.Estabilidade Os metalúrgicos da unidade de São Bernardo do Campo têm estabilidade até 21 de novembro e o acerto não será renovado. Senn afirmou que a matriz na Alemanha recomendou o fechamento de um fábrica no Brasil em 2007, mas a direção da subsidiária nacional luta para diminuir gastos e evitar que isso seja necessário. "Não queremos endurecer, mas temos que ter claro o que tem que ser feito para continuar no mercado e atrair novos produtos. Se não houver mudança, não haverá futuro", disse.A proposta da Volks, apresentada aos sindicatos, inclui uma nova tabela salarial com valores 35% menores para contratações futuras. A empresa quer atrelar a reposição da inflação aos salários aos resultados obtidos. Ou seja, para este ano, não está prevista a reposição integral, se os resultados não forem atendidos.Estão previstas também alterações na participação dos resultados, na jornada de trabalho e no banco de horasDe acordo com os executivos, o plano foi apresentado aos sindicatos em maio e, desde então, não houve avanços nas negociações, já que as entidades não aceitaram as mudanças e ameaçam fazer paralisações em protesto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.