Sem Alca, Brasil perderá mercado para China, dizem EUA

A expansão da China deveria motivar o governo brasileiro a apressar as negociações da Alca, alertou nesta sexta-feira o co-presidente de Alca, o norte-americano Peter Allgeier. Hoje, a China lidera o crescimento mundial, com o PIB registrando altas anuais de 7%. Segundo Allgeier, a Alca poderia deixar o Brasil em melhores condições de concorrer com a China, já que teria certos privilégios no continente americano.Allgeier citou como exemplo o caso do setor de calçados brasileiro, que perdeu mercado nos Estados Unidos nos últimos anos. A redução não foi reflexo de medida restritiva do governo norte-americano, mas da entrada da China. "Nós entendemos que é um assunto controverso no Brasil e também nos Estados Unidos. Em todas as sociedades existem grandes debates políticos sobre o assunto", afirmou.Segundo Allgeier, o novo governo no Brasil vê a importância da Alca, inclusive como incentivo às exportações. O diplomata argumentou que o Brasil e os Estados Unidos são lideres no processo de formação da Alca, o que tem estreitado as relações entre os dois países. Ele encarou com bom humor o incidente no qual recebeu uma torta na cara durante o protesto de um estudante nesta quinta-feira. "Essa é uma maneira engraçada de exportar açúcar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.