Raul Golinelli/Divulgação
Raul Golinelli/Divulgação

Sem aportes do governo, Caixa vai reavaliar projeção de crescimento do crédito

Estimativa para 2015 era de alta de 14% a 18%, após crescimento de 22,4% na carteira de crédito do ano passado; segundo Miriam, acomodação é natural

O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2015 | 12h15


SÃO PAULO - A Caixa Econômica Federal está reavaliando suas projeções para o crescimento do crédito este ano em função da conjuntura, segundo a presidente do banco, Miriam Belchior. A estimativa anteriormente divulgada é de alta de 14% a 18%, mas a presidente não apresentou o novo porcentual. Após ter comandado a redução de juros no Brasil juntamente com o Banco no Brasil, a Caixa desacelera o crescimento da sua carteira de crédito já que não terá mais aportes do governo para sustentar o avanço visto no passado.

"O crédito cresceu muito nos últimos dez anos, um crescimento quase que exponencial. É natural uma acomodação após dois anos de crescimento anual de duas casas decimais", afirmou ela, após discurso na abertura do 11º Feirão Caixa da Casa Própria, em São Paulo.

No ano passado, a carteira de crédito cresceu 22,4%, mais que o intervalo projetado para este ano. No entanto, a taxa de expansão apresentada foi bem menor do que os 36,8% registrados em 2013 e que ultrapassaram os 40% em anos anteriores.

O crédito para habitação teve alta de 25,7% no quarto trimestre de 2014 em comparação a 12 meses. No entanto, a taxa de expansão apresentada foi bem menor do que os 36,8% registrados em 2013 e que ultrapassaram os 40% em anos anteriores.

Sobre o aumento de juros no crédito imobiliário, Miriam, que completou ontem dois meses à frente da presidência do banco público, sinalizou que por ora a Caixa não vê necessidade de novas elevações e que os ajustes foram, preferencialmente, para a alta renda, minimizando possíveis impactos no setor. Duas elevações já foram feitas sob a justificativa da necessidade de acompanhar o aumento da taxa Selic no País.

Miriam também afirmou que a Caixa espera ao menos repetir ou até superar os números do feirão da casa própria no ano passado. Na 10ª edição do Feirão Caixa da Casa Própria totalizou R$ 15,6 bilhões em negócios. O montante, conforme o banco público, superou em 11,72% os negócios fechados em 2013. Um dos focos do evento serão negócios no programa Minha Casa Minha Vida. De acordo com Miriam, as condições da terceira fase do programa devem ser anunciadas ainda neste primeiro semestre.

O 11º Feirão Caixa da Casa Própria vai até domingo (26), em São Paulo, e conta com mais de 80 mil imóveis, novos ou usados. Outras 13 cidades do País recebem o evento, que acontece de abril a junho de 2015. São mais de 115 construtoras e cerca de 60 correspondentes imobiliários e um total de 550 empreendimentos, sendo 40 mil imóveis novos e 40 mil usados.

Mais conteúdo sobre:
economiacréditoCaixa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.