VALERIA GONÇALVEZ/ESTADÃO
Há modelos de carros seminovos com valorização de 20%, quando, em tempos normais, há perda de 15% a 20% no valor VALERIA GONÇALVEZ/ESTADÃO

Sem carro zero no mercado, preço de usados sobe mais de 20% e vendas disparam

Fenabrave estima que o negócio de automóveis de segunda mão deve fechar o ano com mais de 11 milhões de unidades vendidas

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2021 | 05h00

As negociações de carros usados tiveram um boom neste ano, ocupando espaço dos modelos novos que sumiram das lojas em razão da falta de chip para a produção. Com demanda em alta, há uma escalada de preços que não se via desde o Plano Cruzado (nos anos 1980). Há modelos com valorização de mais de 20% em um ano. Num mercado normal, o automóvel perde entre 15% a 20% do seu valor após um ano de uso. 

Embora o segmento também já registre falta de produtos, as vendas até agosto são recordes, com 7,59 milhões de automóveis e comerciais leves. O número é 48,8% superior ao de 2020, um dos anos mais fracos para o setor por causa da pandemia, mas também 6,6% acima dos 7,12 milhões de usados vendidos em igual período de 2019, até então o melhor resultado da história, segundo a Fenabrave, que representa as concessionárias.  

A relação entre a venda de carros usados e novos também está no ponto máximo da série histórica realizada desde julho de 2004 pelo Bradesco, que trabalha com dados dessazonalizados. Para cada automóvel zero vendido no ano, foram comercializados 6,5 usados. O maior nível anterior tinha sido verificado na crise de 2015 e 2016, quando ficou em 5,5.

“Em períodos de crise é normal essa métrica subir, mas dessa vez a massa salarial foi preservada pelos estímulos (do governo) e as vendas cresceram em parte por causa da demanda, e em parte por causa da falta dos novos”, diz Renan Bassoli Diniz, economista do Departamento de Pesquisa e Estudos Econômicos do Bradesco. 

Os preços dos carros novos também aumentaram ao longo do ano, mas abaixo dos usados. Segundo o IPCA, índice que mede a inflação dos preços ao consumidor, veículos zero acumulam alta de 9,8% nos 12 meses encerrados em agosto, enquanto os usados subiram 12,5%.

Corrida

O vice-presidente da Fenabrave, José Maurício Andreta Júnior, diz acreditar que o mercado de usados deve encerrar o ano com mais de 11 milhões de veículos vendidos, confirmando assim o melhor resultado da história do segmento.

Para os novos, diz ele, é difícil fazer previsões porque vai depender da capacidade das montadoras de entregar carros para as revendas. A previsão do mercado é de que a falta de semicondutores deve se manter pelo menos até meados de 2022.

Mais focadas em modelos novos, concessionárias também correm atrás de usados em portais e oferecem preços mais atraentes aos proprietários. Antes da pandemia, o mais comum era receber o usado na troca pelo novo e repassá-lo a lojistas do ramo. Agora, a maioria das revendas busca carros seminovos (com até três anos de uso) para alavancar os negócios. Há, inclusive, grupos abrindo lojas exclusivas para vender usados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Carro usado chega a custar mais que um zero quilômetro

Com a longa espera por um carro novo nas concessionárias, preço dos usados experimenta um movimento só visto na hiperinflação

Cleide Silva, O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2021 | 05h00

Vender um carro usado por um ano e com preço melhor do que aquele pago na compra é algo inédito num momento de estabilidade econômica. “Vi isso só na época da hiperinflação”, afirma Eduardo Jurcevic, presidente da Webmotors, maior plataforma de compra e venda de carros do País.

Modelos de grande procura, como Volkswagen T-Cross e Gol, tiveram em um ano valorização de 27% e 24%, respectivamente, conforme dados da KBB Brasil, empresa especializada em pesquisa de preços de veículos (veja quadro abaixo).

Para Ana Renata Navas, diretora-geral da Cox Automotive do Brasil, dona da KBB, a alta procura por carros usados – e a consequente valorização dos preços – se deve, em parte, à pronta entrega que o segmento oferece ao consumidor. Muitos modelos novos têm filas de espera de quatro a seis meses.

Outro ingrediente, diz ela, é que a falta de carros novos reduz também a oferta de usados, pois normalmente eles compõem o pagamento do zero. “Com menos veículos seminovos e usados disponíveis nos estoques das lojas, há mais pressão sobre os preços”, explica.

Segundo Ana Renata, caso a crise de semicondutores perdure para além do primeiro semestre de 2022, ou se agrave no curto e médio prazos, os fatores citados “podem pressionar ainda mais os preços, a ponto de arrefecer a demanda por usados”.

No limite

Na opinião de Jurcevic, a elasticidade de preços vai até um certo ponto. “Acho que está muito próximo de chegar em um patamar em que o consumidor vai decidir esperar mais um pouco porque os preços estão muito altos”, diz. Como no geral modelos novos e usados ficaram mais caros, o consumidor terá de avaliar se compensa trocar o carro valorizado por outro que também valorizou.

Jurcevic afirma que este já é o melhor momento da história de 25 anos da Webmotors no Brasil. O resultado financeiro da empresa cresceu mais de 30% até agosto ante igual período de 2020 e ele acredita que esse resultado será mantido até dezembro. O número de usuários únicos, de 12 milhões ao mês, também será superado.

Só não será melhor, ressalta o executivo, porque o número de veículos anunciados diminuiu. “Antes da pandemia chegamos a ter 410 mil carros anunciados, e hoje temos 330 mil.”

O AutoShow, tradicional feirão de carros usados que há um ano foi transferido do Anhembi para o Expo Center Norte, na capital paulista, retomou neste ano a venda presencial nas manhãs de domingo, depois de passar praticamente todo o ano passado sem realizar o evento.

Leandro Ferrari, diretor comercial do AutoShow, afirma que o número de carros à venda diminuiu, assim como o público, em razão da pandemia. Ressalta, contudo, que em 2018 e em 2019 foram vendidos 30% dos 15 mil e dos 18 mil carros ofertados no feirão. Neste ano, até agosto, 52% dos 3,3 mil modelos expostos foram vendidos. Mesmo com o aumento de plataformas de vendas on line, ele diz que o feirão continua atraindo muito público comprador, visitas que devem aumentar quando a situação da pandemia estiver mais controlada.

“O local é seguro, há muitas opções de carros, a negociação é feita na hora, sem intermediários e temos todos os serviços para dar suporte à compra, como vistoria cautelar, parceiros da área de financiamento e despachante”, diz Ferrari.

Desaceleração

Ferrari cita o Fiat Argo modelo 2019 como exemplo da supervalorização dos preços, em especial dos seminovos. O modelo era oferecido por R$ 40,8 mil em setembro do ano passado e hoje custa R$ 52,4 mil. “Começa a ocorrer uma desaceleração da velocidade de vendas porque hoje o valor foge do bolso da maioria dos consumidores.”

A Kavak, startup mexicana que atua na compra e venda online de carros com até 10 anos de uso, iniciou operações no Brasil em julho com 2,5 mil unidades em estoque. Hoje tem 3,5 mil. O investimento inicial de R$ 2,5 bilhões na operação brasileira deve ser ampliado no próximo ano com a expansão das operações.

Nos últimos quatro anos, várias startups se instalaram no País para atuar no mercado de carros de segunda mão. Além da Kavak chegaram a Creditas – comprou a Volanty –, InstaCarro, Carupi e a argentina Karvi.

Venda de usados deve desacelerar no próximo ano

A previsão de entidades de classe do setor automotivo e economistas é de que o mercado de carros usados vai crescer em ritmo mais moderado em 2022, enquanto o de novos tende a melhorar seu desempenho. A expectativa é de que no segundo semestre a falta de semicondutores estará controlada.

A previsão do Bradesco é de alta de 2,5% na venda de usados, para 12 milhões de unidades, e de 7,5% para os novos, somando 2,2 milhões de unidades. 

Renan Bassoli Diniz, economista do Departamento de Pesquisa e Estudos Econômicos do Bradesco, lembra que há demanda, mas a oferta continuará prejudicada no primeiro semestre.

Ele avalia que o mercado de novos perdeu o melhor momento para se recuperar rapidamente e voltar ao nível pré-pandemia, quando houve estímulos financeiros do governo à população e os juros estavam mais baixos. “O ano de 2022 terá menos estímulos, juros mais altos, período de volatilidade eleitoral e espera-se alta do PIB menor que a deste ano”, ressalta Diniz.

Eduardo Jurcevic, da Webmotors, está mais otimista. Pesquisa feita pela empresa em julho com 4,2 mil consumidores indica que 75% deles têm intenção de adquirir carro novo ou usado ainda este ano, 7% desistiram da compra e 18% vão comprar em 2022. “O carro está mais caro, mas ainda tem crédito no mercado”, diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Prazo de entrega longo de automóveis zero quilômetro leva a mudança de planos na compra

Gerente de logística desistiu do automóvel novo após descobrir que teria de esperar quatro meses para recebê-lo

Wesley Gonsalves, O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2021 | 05h00

O gerente de logística José Cândido, de 44 anos, desistiu de adquirir um modelo JAC T50 novo por causa do tempo que teria de esperar para recebê-lo. Depois de escolher o carro que desejava, ele foi informado pelo vendedor de que o veículo, importado da China, chegaria em cerca de quatro meses.

O prazo de entrega extenso fez com que Cândido optasse por um outro modelo, usado, mas com pronta entrega garantida pela concessionária. “Eu uso o carro no dia a dia. Como tenho uma pessoa cadeirante na família, não posso esperar tanto para receber um zero quilômetro” afirma ele.

Apenas quatro meses depois, Cândido decidiu trocar novamente de carro. Ele se desfez do Chevrolet Tracker que havia comprado em abril e usou o valor para pagar outro seminovo, agora um Chevrolet Cruze.

“O preço do zero subiu muito, não compensa para mim. Como meu carro estava quitado, entreguei ele e peguei outro no lugar, saiu elas por elas; eu só precisei arcar com a documentação”, explica Cândido.

Como o gerente, muitos consumidores estão optando por modelos usados porque os novos estão em falta, a fila de espera é longa e os preços também estão aumentando.

Atualmente, os estoques de carros novos nos pátios das montadoras e das revendas são suficientes para 13 dias de vendas, o mais baixo da história do setor. O estoque considerado equilibrado pelo setor é de cerca de 30 dias.  

Sem estoques e com produção reduzida por causa da dificuldade em adquirir componentes, as montadoras também estão reajustando os preços, seja para repassar custos de peças e matérias-primas, pela alta cambial ou pela maior procura em tempos de oferta reduzida.

As montadoras também estão priorizando a produção de modelos com maior retorno financeiro, como utilitários-esportivos (SUVs) e picapes, em detrimento de hatches compactos.

Nova geração

O consumidor brasileiro está sem opção para compra de modelos mais populares. Hoje, os carros mais baratos custam R$ 48 mil (Fiat Mobi e Renault Kwid). A nova geração de automóveis ganhou mais itens de conectividade, segurança e eficiência energética e seus preços triplicaram em relação aos de uma década atrás.

Levantamento feito pela KBB Brasil, empresa especializada em pesquisa de preços de veículos, mostra que os dez modelos mais vendidos em 2011 custavam de R$ 24,7 mil (Chevrolet Celta) a R$ 39,4 mil (Volkswagen Voyage).

Os preços dos dez carros mais vendidos neste ano partem de R$ 49,3 mil (Renault Kwid) e vão até R$ 187,2 mil (Jeep Compass). Na média, a lista atual tem valores 189,6% superiores na comparação com a de 2011.

“Apesar de mais caro, comprar um carro novo hoje rende mais (em um ano) do que a poupança e outras aplicações”, afirma José Maurício Andreta Júnior, vice-presidente da Fenabrave, associação que representa os concessionários de veículos. / COLABOROU CLEIDE SILVA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.