Sem dar explicação,GM suspende venda do Cruze nos EUA

Medida envolve a versão mais vendida do modelo no mercado americano; montadora enfrenta crise no país por série de recalls

REUTERS, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2014 | 02h09

Sem explicar a razão, a General Motors informou ontem que pediu a seus revendedores para suspender a venda de alguns carros compactos Chevrolet Cruze, em um novo golpe para uma companhia que já está enfrentando uma crise envolvendo o interruptor de ignição defeituoso associado a pelo menos 12 mortes.

A montadora comunicou que os Cruze afetados, modelos 2013 e 2014 equipados com motor turbo 1.4, não estão sofrendo um recall. A ação só cobre os modelos afetados não vendidos nos pátios de revendedoras, que constituem cerca de um terço do estoque de veículos nas revendedoras, segundo um porta-voz da GM.

Modelo. O motor 1.4 turbo à gasolina é responsável por 60% das vendas no varejo do Cruze em qualquer mês, disse um porta-voz da GM. O veículo é vendido também com motor 1.8 a gasolina e 2.0 a diesel.

"Com a GM ainda às voltas com o recall relacionado a interruptores de ignição defeituosos no Chevrolet Cobalt e outros modelos, a última coisa que eles precisavam é de um caso grave com um de seus modelos atualmente mais produzidos, neste caso, o Chevrolet Cruze", disse Alec Gutierrez, analista sênior do Kelly Blue Book.

Em 2013, as vendas do Cruze subiram 4,4%, para 248.224 veículos, fazendo dele o 12º veículo mais vendido no mercado americano, segundo a Autodata. Em fevereiro deste ano, as vendas do Cruze subiram 19%.

"Só posso confirmar que ordenamos uma suspensão das vendas na noite passada", disse Alan Adler, porta-voz da GM.

Adler disse que não tinha detalhes sobre as razões para a adoção da medida, mas que ordens de suspensão de venda podem ocorrer por várias razões. Disse ainda que as ordens de suspensão de vendas significam que as revendedoras precisam fazer alguma coisa com o veículo antes de o produto ser vendido.

Recall. No mês passado, a GM fez o recall global de 1,6 milhão de carros de modelos mais antigos para substituir interruptores de ignição defeituosos que podem ser destravados da posição "run" (operante) durante a rodagem, desligando o motor e desativando os airbags e componentes elétricos.

Na ocasião, a diretora presidente da GM, Mary Barra, pediu desculpas pelo fracasso da montadora em identificar o problema e prometeu revisar o processo. Mary está escalada para testemunhar, na próxima semana, diante da Câmara e do Senado, cujos membros querem saber justamente por que o problema não resultou num recall mais cedo, apesar de ter sido observado dentro da companhia em 2001.

Um revendedor da Chevrolet, que pediu para não ser identificado, confirmou o alerta para a suspensão das vendas dos modelos turbo 1.4, mas disse que a GM não forneceu maiores detalhes./ TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.