Sem fato político novo, mercado financeiro tem dia estável

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 1,28% nesta quarta-feira de Cinzas, dando seqüência à reação verificada na sexta-feira passada, quando a Bolsa operou em baixa no período da manhã e passou a subir à tarde, depois que o presidente Lula anunciou a proibição dos bingos no País. A medida adotada por Lula foi interpretada pelo mercado como uma ofensiva do governo para tentar isolar a Presidência da República das acusações de corrupção contra o ex-assessor parlamentar da Casa Civil Waldomiro Diniz. De olho no cenário político, o mercado de ações também não viu durante o feriado de carnaval nenhum fato novo que pudesse aprofundar a crise política. De qualquer forma, o pregão desta quarta-feira não pode ser interpretado como definidor de tendência. No mercado de juros, o contrato com taxa pós-fixada (DI) e vencimento em janeiro de 2005, o mais negociado, fechou com taxa de 15,79% ao ano, contra 15,78% ao ano da quinta-feira. Na sexta-feira, esse contrato havia encerrado o pregão em 15,96% ao ano. A expectativa dos investidores fica por conta da divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que manteve a Selic, a taxa básica de juros da economia, em 16,5% ao ano.O dólar encerrou o dia cotado a R$ 2,9410 na ponta de venda das operações, em baixa de 0,61% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. A moeda norte-americana iniciou o dia no patamar de R$ 2,9450 e oscilou entre a máxima de R$ R$ 2,9480 e a mínima de R$ 2,9280. Com o resultado de hoje, o dólar registra alta de 0,31% em fevereiro e acumula alta de 1,31% em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.