DIV
DIV

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Sem Fies, faculdades apelam para o marketing

Fatores como preço e proximidade voltam a ser armas importantes para captar alunos

Marina Gazzoni Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2016 | 05h00

Vender ensino superior a um público que não tem dinheiro de sobra em caixa ficou mais difícil desde o ano passado, quando o governo federal começou a cortar verbas de programas de financiamento oficiais, como Fies e ProUni. Com menos bolsas de estudo disponíveis, as empresas se viram obrigadas a convencer novamente o aluno de que o sonho da graduação, antes garantido pelo dinheiro oficial, ainda pode ser possível.

Ainda em 2015, a Kroton – dona de marcas como Anhanguera – lançou a campanha “Sem Crise”, que carregava o slogan “Vem conversar que a gente faz dar certo”. “O processo de captação de novos alunos, sem dúvida, foi diferente dos anos anteriores, o que implicou em um desafio muito grande de marketing institucional”, afirma o vice-presidente de marketing e vendas da Kroton, Guilherme Franco. “Hoje, nossa venda é mais consultiva. Temos de entender a situação do aluno e encontrar uma forma de fazer a mensalidade caber no bolso dele.”

Para o publicitário Rui Piranda, diretor executivo de criação da FCB e responsável pelo atendimento de outro grupo educacional, o Cruzeiro do Sul, o atendimento ao público das classes C e D obriga que fatores como preço e proximidade estejam incluídos no marketing. “Eu não estou lidando com um jovem que sempre soube que poderia frequentar a faculdade, que os pais poderiam pagar R$ 2 mil na PUC”, diz Piranda. “Ele precisa entender se tem ou não condições de arcar com o preço e se consegue sair do trabalho e chegar a tempo da aula.”

Hoje, os grandes grupos empresariais já trabalham com suas próprias linhas de bolsas de estudo e financiamento estudantil. A Kroton, por exemplo, incluiu 27 mil dos 101,6 mil novos alunos registrados no primeiro trimestre deste ano em seu programa de financiamento privado. A participação desta opção aumentou 21% nas matrículas em comparação com o início de 2015.

As campanhas do setor de educação, além de diretas, precisam ser também didáticas. No caso da Kroton, o apresentador Luciano Huck, vai explicar, em um quadro em seu programa exibido aos sábados, na TV Globo, como funciona o programa de financiamento estudantil da companhia. A Cruzeiro do Sul vai na mesma linha, mas usa cada mídia para uma finalidade: faz campanha institucional na TV (com o nadador Gustavo Borges), usa a internet para explicar preço e condições e mídia exterior para trabalhar a acessibilidade – informando, por exemplo, se o câmpus fica próximo a uma estação de metrô.

Ajustes. Para o grupo de educação Estácio, a mudança de realidade de financiamento motivou um ajuste na comunicação. “Nossas pesquisas mostram que muitas pessoas pensavam em postergar a decisão de estudar em função do cenário de crise política e econômica”, explica o diretor executivo de mercado, Alexandre Ferraz.

Para tranquilizar os estudantes, a Estácio lançou na metade de 2015 a campanha “Compromisso”. Em um dos vídeos, o presidente do grupo, Rogério Melzi, fala diretamente aos alunos. “A Estácio sabe que você está em momento de incerteza e que não está seguro de que vai conseguir fazer faculdade. Por isso estou aqui para reafirmar o compromisso Estácio. Nossa missão é ajudar você a ser protagonista da sua história.”

Nas próximas campanhas, a empresa manterá uma linha emocional, para motivar o aluno a investir em si mesmo. A universidade se apresenta como uma aliada.

Para o diretor de planejamento da Fess’Kobbi Comunicação, especialista em marketing educacional, Rafael Villas-Bôas, as empresas precisam hoje economizar e racionalizar suas estratégias de marketing. “Depois de 2010, o Fies foi a principal estratégia de marketing das universidades. Não precisavam fazer muito mais do que comunicar que tinham Fies. Era fácil captar alunos.”

Agora, o estilo “varejão” – promoções com preços, oferta de matrículas grátis, de bolsas de estudo e de parcelamentos a perder de vista – deve começar a dominar a propaganda da educação voltada à classe C. “A verdade é que essas instituições, de maneira geral, não possuem um aspecto aspiracional. Então, elas precisam desse embate no varejo, até porque perderam o Fies, que era um grande aliado na captação de alunos”, diz Leandro Bier, consultor em comunicação para empresas de educação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.