Sem FMI, Lula retoma compromisso com o social, diz a CUT

O presidente da CUT, Luiz Marinho, disse hoje que a decisão do governo brasileiro de não renovar o acordo com o Fundo Monetário Internacional "cria um sentimento político importante, de realinhamento com os compromissos históricos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com os movimentos sociais, porque sempre tivemos ojeriza das práticas do FMI".Para ele, o importante agora é "abrir um amplo debate nacional para garanti a sustentabilidade do crescimento". O líder sindical acredita que a política econômica brasileira pode ingressar "num novo momento", com medidas de combate à inflação não somente com aumento das taxas de juro, mas com investimentos do setor produtivo. "Devemos dar uma boa olhada nas metas de inflação e de superávit primário e estabelecer outras metas de emprego, crescimento de renda, salário mínimo e de juros", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.