Sem foco, Bovespa abre estável, em +0,04%

O mercado abre a semana com tendência indefinida (a Bovespa amanheceu estável, em +0,04%), tentando acertar o foco depois das turbulências que agitaram os negócios nos pregões anteriores. Nos EUA, onde a agenda da semana é fraca tanto em indicadores quanto em balanços, as dúvidas sobre a magnitude da desaceleração americana e o risco de volatilidade em Wall Street persistem. No Brasil, a pauta é variada. Serão divulgados vários índices de inflação, entre eles o IPCA de janeiro, na sexta. Hoje, saem os primeiros números da balança comercial de fevereiro, mas com apenas dois dias úteis. O mercado está atento para checar se o mau desempenho de janeiro foi apenas um susto ou se indicou uma tendência, mas uma melhor sinalização só deve ocorrer a partir da semana que vem. Várias empresas brasileiras de porte divulgam balanços nesta semana, entre elas a Telemar e a Vale. Números do Bradesco já saíram nesta manhã, apontando lucro de R$ 1,74 bi em 2000. A Embratel reportou lucro de R$ 577 mi. O mercado brasileiro ainda deve continuar monitorando o cenário político, que voltou a preocupar os investidores com o acirramento da disputa entre PMDB, PFL e PSDB no Congresso. Articuladores do governo reúnem-se hoje e devem definir uma estratégia para a votação das MPs previstas para esta semana. Depois da derrota imposta ao governo na semana passada pela união do PFL com o PT, acredita-se que o Planalto, para não correr riscos, tentará adiar as votações para depois das eleições na Câmara e no Senado. Analistas do mercado não acreditam numa crise definitiva da aliança governista, mas admitem que a tensão deve persistir pelo menos até a data das eleições, em 14 de fevereiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.