Sem força para retomar rali, índice fecha estável

A Bovespa encerrou os negócios desta terça-feira estável, sem força para retomar um rali que levou seu principal índice acionário a acumular alta de 10,5 por cento em sete pregões encerrados na sexta-feira.

DANIELLE ASSALVE, Reuters

18 de setembro de 2012 | 17h52

O Ibovespa fechou em 61.804 pontos, numa sessão instável --o índice oscilou entre alta de 0,53 por cento e queda de 0,58 por cento no intradia. O giro financeiro da bolsa foi de 6,7 bilhões de reais, ante média diária de 7,3 bilhões de reais em 2012.

"A bolsa pode ter mais alguns dias de indefinição, com movimentos de realização, mas o viés do mercado é positivo", disse Eduardo Cavalheiro, sócio da Rio Verde Investimentos.

"O cenário geral é melhor no exterior. Além disso, com todo o esforço do governo brasileiro para estimular a economia, podemos começar a ver dados bons que poderiam animar a bolsa."

O anúncio de novas medidas de estímulo nos Estados Unidos e na China nas duas últimas semanas reforçou o clima de otimismo e renovou o apetite de investidores por ativos de risco.

Segundo relatório do UBS nesta terça-feira, o apetite por esses ativos saltou para o maior patamar desde maio de 2011 nas duas últimas semanas, bem acima da média.

No entanto, as incertezas sobre se a Espanha pedirá um resgate soberano voltaram a pesar no mercado nesta terça-feira, segundo analistas, motivando alguns investidores a aproveitar os ganhos recentes para seguir realizando lucros.

Em Wall Street, o índice Dow Jones subiu 0,09 por cento, enquanto o S&P 500 caiu 0,13 por cento. Mais cedo, o principal índice europeu de ações fechou em queda de 0,43 por cento.

Por aqui, as ações de bancos pesaram no Ibovespa, após bancários de todo o país decidirem entrar em greve por tempo indeterminado.

A ação preferencial do Itaú Unibanco caiu 2,38 por cento, a 33,68 reais, enquanto a ordinária do Banco do Brasil perdeu 1,52 por cento, a 25,94 reais.

Dentre as blue chips, a preferencial da Petrobras fechou em queda de 0,22 por cento, a 23,20 reais, e a ordinária da OGX terminou o dia em queda de 0,31 por cento, a 6,44 reais. Já o papel preferencial da mineradora Vale teve alta de 0,53 por cento, a 38,25 reais.

O setor de construção liderou os ganhos do Ibovespa --Rossi Residencial saltou 5,49 por cento e PDG Realty teve alta de 4,09 por cento.

A Brookfield Incorporações fechou em alta de 1,97 por cento, a 4,14 reais, depois de ter caído mais de 6 por cento pela manhã. A companhia informou na véspera a aprovação de aumento de capital no valor de 400 milhões de reais.

Ações do setor elétrico seguiam em recuperação, após o forte tombo da semana passada, com destaque para Cemig, que subiu 3,03 por cento, a 28,20 reais.

(Por Danielle Assalve)

Tudo o que sabemos sobre:
BOVESPAFECHAFINAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.