Sem geradores, Galeão fica no escuro

Alvo de preocupação do governo por causa de suas deficiências, os setores aeroportuário e elétrico geraram transtornos na noite de quarta-feira no Rio. Uma sobrecarga em um equipamento da subestação do aeroporto internacional do Galeão deixou o local sem energia. No total, 19 voos atrasaram. O problema afetou a rede da distribuidora Light, cortando o abastecimento a consumidores da Ilha do Governador, onde está o Galeão.

GLAUBER GONÇALVES, FERNANDA NUNES / RIO, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2012 | 02h05

No mesmo dia, o sistema de ar-condicionado do Santos Dumont, na Zona Sul da cidade, parou de funcionar, enquanto o Rio registrava temperatura recorde: 42,3° C. Segundo a Infraero, o problema foi ocasionado por falha no gerador que alimenta o sistema de condicionadores de ar. A estatal diz que providenciou imediatamente a manutenção do equipamento, mas quem passou por lá ontem continuou sofrendo com o calor.

Para aguentar as altas temperaturas, passageiros recorreram a folhas de papel para se abanar. Nos guichês de check-in, funcionários das companhias aéreas trabalhavam com ventilador ligado. "Isso aqui está uma calamidade", disse o pedreiro Wantuil Gomes Xavier, de 65 anos, enquanto enxugava o suor com uma toalha. Após aturar o calor, ele descobriu que o voo fora cancelado.

A professora Rosa Luna, de 57 anos, chegou mais cedo ao aeroporto para se refugiar no ar-condicionado, mas o jeito foi abrir o leque para suportar o desconforto. "Está muito quente. Não há muita diferença (em relação à temperatura exterior)", disse.

A falha que deixou passageiros no escuro no Galeão desagradou o governador do Rio, Sérgio Cabral, e a presidente Dilma. Entusiasta da privatização do aeroporto, Cabral criticou ontem a falta de solução imediata para a queda da energia, durante um evento no Palácio Guanabara.

"Você tinha de ter uma estrutura reserva, com geradores de última geração, que fosse capaz de responder imediatamente a uma queda de energia. Infelizmente não tinha. A presidente tomou decisão certa de licitar", disse sobre o plano de concessão do Galeão anunciado na semana passada. Em Brasília, Dilma disse que "o sistema elétrico do Galeão inteiro terá de ser trocado".

A Infraero diz que, em agosto, iniciou um conjunto de obras no terminal 1, que inclui a instalação de sistema de gerenciamento automatizado, o que reduziria o tempo de acionamento dos geradores e quadros elétricos. Deve estar pronto em um ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.