Sem novas denúncias sobre caso Waldomiro, mercados melhoram

Momentos antes do pronunciamento do senador Almeida Lima (PDT-SE) no plenário do Senado, o mercado financeiro operava na expectativa de novas denúncias sobre o caso Waldomiro. O senador anunciou durante a manhã que apresentaria um documento em que mostraria algum tipo de ligação do ministro chefe da Casa Civil, José Dirceu, com o ex-assessor parlamentar do Palácio do Planalto, Waldomiro Diniz. Às 13h50, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em queda de 1,00%, em 22.272,7 pontos. No mercado de juros futuros, as taxas estavam em alta. Já o dólar comercial encerrou o período da manhã em alta de 0,41%, cotado a R$ 2,9060 na ponta de venda das operações. Porém, na ausência de novas denúncias, o comportamento dos mercados mudou. A Bovespa desacelerou a queda para 0,75% e às, 15h20, o Ibovespa ? índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa - já operava em alta de 0,80%. O dólar comercial recuou para R$ 2,9010 e, às 15h20, está cotado a R$ 2,8950 na ponta de venda, em leve alta de 0,03%. Na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), o contrato com taxa pós-fixada (DI) com vencimento em janeiro, que atingiu 15,80% ao ano, apontava taxa de 15,57% ao ano nesse horário. Mercados internacionais O mercado da dívida externa também está reagindo em alta ao fim do discurso do senador. "Ele não falou nada com nada", resumiu um operador à editora Regina Cardel sobre o que considerou a falta de consistência na fala do senador. Ontem, o mercado da dívida era o único que ainda estava aberto quando começaram a circular os rumores de que Lima apresentaria "provas irrefutáveis" de uma suposta ligação entre o ministro José Dirceu e Waldomiro Diniz. Os boatos fizeram o C-Bond, principal título da dívida brasileira negociado no exterior, fechar na mínima do dia e manter-se em queda durante esta manhã. Esta tarde, logo após o término do discurso do senador, os preços começaram a reagir. O último negócio com o C-Bond até às 15h20 (horário de Brasília) foi fechado em 96,50 centavos por dólar, alta de 0,19% sobre o fechamento de ontem. Antes do pronunciamento, o C-Bond estava em 95,750 centavos de dólar. O Global 40, outro título brasileiro com boa liquidez (volume de negócios), passou do nível de 105,20 centavos de dólar em que estava antes do discurso para 105,95 centavos de dólar e as telas já apontavam ofertas de compra a 106,40 centavos por dólar. O volume de negócios é bom.

Agencia Estado,

02 Março 2004 | 15h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.