Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Sem Pnad Contínua, coordenadores ameaçam entregar cargos

Coordenadores de pesquisas fundamentais conduzidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), como as que determinam a inflação oficial e a taxa de desemprego nas principais regiões metropolitanas do País, assinaram uma carta enviada ao conselho diretor da instituição em que ameaçam entregar seus cargos caso não seja revista a decisão de suspender a divulgação dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) para revisão da metodologia.

DANIELA AMORIM, Agencia Estado

11 de abril de 2014 | 12h49

Nesta quinta-feira, 10, a presidente do IBGE, Wasmália Bivar, anunciou que a divulgação da pesquisa estava suspensa até 6 de janeiro de 2015 para que os técnicos pudessem revisar e adequar as informações sobre a renda domiciliar per capita às exigências previstas na Lei Complementar nº 143/2013, que determina que o indicador sirva como base para o cálculo do rateio do Fundo de Participações do Estados (FPE). A medida motivou o pedido de exoneração da diretora de Pesquisas do IBGE, Marcia Quintslr.

Outra integrante do conselho que também votou contra a decisão da suspensão da Pnad Contínua, Denise Britz do Nascimento Silva, coordenadora-geral da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (Ence), também pediu exoneração do cargo. Na carta enviada ao conselho diretor, ameaçam fazer o mesmo a coordenadora de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, responsável pela divulgação da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, responsável pela própria Pnad Contínua e pela Pesquisa Mensal de Emprego.

"Parece que existem outras pessoas dispostas a entregar também seus cargos. Estão acontecendo reuniões entre os coordenadores. É uma crise de gestão", disse a servidora Ana Magni, da executiva nacional da Associação de Servidores do IBGE (ASSIBGE).

A ASSIBGE diz que a metodologia da Pnad Contínua está correta, que não há erros na amostra nem no cálculo da renda domiciliar per capita. A associação lembrou ainda que a decisão de reavaliar a pesquisa foi tomada sem que a equipe técnica fosse consultada sobre a pertinência dos questionamentos feitos pelos senadores Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Armando Monteiro (PTB-PE) no início do mês.

Tudo o que sabemos sobre:
PnadIBGEexoneração

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.