Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Sem reforma trabalhista, Brasil pode virar Venezuela, diz presidente do TST

Para Ives Gandra Filho, o desemprego não vai diminuir sem mudanças na legislação trabalhista

Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2017 | 11h35

O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Ives Gandra Martins Filho, fez forte defesa da proposta da reforma trabalhista apresentada pelo governo à Câmara. Se não houver reforma, diz Martins Filho, o desemprego crescerá ainda mais e o Brasil estaria sob o risco de evoluir rumo à situação da Venezuela no mercado de trabalho.

"Do jeito que estamos, vamos aumentar o desemprego", disse o presidente do TST, com a argumentação de que a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) "continua com uma série de deficiências" mesmo após a série de ajustes no texto ao longo das últimas décadas. Martins Filho participa de audiência na Comissão da Reforma Trabalhista na Câmara.

Ao defender a reforma, Martins Filho fez uma comparação que gerou polêmica entre deputados e outros presentes. O presidente do TST disse que, se nada for feito na legislação trabalhista, "podemos caminhar a tal ponto que vamos rumo à Venezuela". A comparação foi aplaudida por parte dos presentes e vaiada por outro grupo de presentes.

Em seguida, ele tentou apaziguar os ânimos com a afirmação de que empresários, trabalhadores e sindicalistas querem chegar a um objetivo comum - que passa pelo aumento do emprego, segurança jurídica e harmonia nas relações do trabalho - mas só divergem quanto ao caminho para esse objetivo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.