coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Sem superávits País vira a Argentina, diz economista

Quando perguntado sobre a importância dosuperávit primário para o Brasil, o economista Fábio Giambiagi,do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES),não titubeia: "É simples: sem isto, a gente vira Argentina."Giambiagi diz que se refere somente ao default da dívida públicaargentina. O superávit primário é a arrecadação do setor público(todos os níveis da Federação e estatais) menos as suas despesas mas descontando destas últimas os juros da dívida pública. Oeconomista recita uma equação básica: "A dívida de hoje é igualà de ontem, mais o pagamento de juros, menos o superávitprimário." Em outras palavras, o governo usa o superávit primáriopara pagar parte da conta de juros. O resto é pago contraindo-semais dívida. A outra opção seria emitir dinheiro para pagar, masaí a inflação dispararia. Como o governo paga parte dos juros dadívida com mais dívida, ela tende a aumentar. Os investidoresolham especificamente para a relação entre a dívida pública e oProduto Interno Bruto (PIB), que é alta no caso brasileiro, de54,5% (descontando as reservas internacionais). Isto leva aomedo de que a dívida deixe de ser paga em algum momento. Estemedo faz com que os financiadores peçam juros maiores, o queaumenta mais a dívida, em um círculo vicioso. A relação dívida/PIB depende do crescimento do PIB, dojuro real, do superávit primário e do câmbio. No momento em queo PIB está crescendo a 2% e o juro real está próximo a 12%, osuperávit primário que daria tranqüilidade seria entre 4,5% e 5%do PIB, diz Sérgio Werlang, diretor do Banco Itaú. A médio prazo porém, é razoável supor um crescimento mais alto e juro realmais baixo. Neste caso, 3,5% de superávit primário pode atéreduzir a relação dívida/PIB e criar um círculo virtuoso. Osinvestidores se tranqüilizam, caem o juro real e a relaçãodívida/PIB, e o superávit primário pode ser reduzido.

Agencia Estado,

24 de maio de 2002 | 21h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.