carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Semana começa sem definições para montadoras

No fim de semana, governo dos EUA silenciou sobre pacote de ajuda

Fernando Dantas, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

15 de dezembro de 2008 | 00h00

A semana deve começar com uma preocupação intensificada sobre o destino de duas das três grandes montadoras de veículos americanas, a General Motors (GM) e a Chrysler. Durante o fim de semana, a Casa Branca não emitiu nenhum sinal concreto sobre a ajuda que, na sexta-feira, demonstrou estar disposta a conferir à indústria automobilística, possivelmente com recursos do pacote de US$ 700 bilhões destinado a sanear o sistema financeiro, o chamado Tarp (da sigla em inglês do programa). A GM e a Chrysler já anunciaram que o seu dinheiro em caixa pode acabar em semanas, o que poderia forçá-las a entrar em concordata. O senador republicano Bob Corker, do Tennessee, que relatou ter feito contato com a Casa Branca no domingo, declarou que "não acho que eles já saibam o que vão fazer". Há a possibilidade de usar diretamente o dinheiro do Tarp ou utilizá-lo como garantia para empréstimos que poderiam ser feitos pelo Federal Reserve (Fed), banco central americano. O Fed, porém, já demonstrou que não gosta nem um pouco da idéia de fazer empréstimos para o setor real da economia, o que significaria uma ruptura com as suas funções tradicionais ainda maior do que aquela que já foi forçado a fazer para tentar conter a crise financeira.O uso direto dos recursos do Tarp também é complicado, porque o valor de US$ 14 bilhões, cogitado para o pacote das montadoras, esgotaria a primeira tranche (parcela) do programa. Isso poderia forçar o Executivo a pedir para o Congresso a aprovação da segunda metade do Tarp. Curiosamente, a oposição, neste caso, viria de senadores democratas como Chris Dodd, de Connecticut, que é um dos mais ardorosos defensores do apoio à montadoras.A GM, maior fabricante de automóveis dos Estados Unidos, precisa de US$ 4 bilhões para terminar o ano e outros US$ 6 bilhões para seguir operando no primeiro trimestre do ano que vem. A empresa anunciou que, de janeiro a março, produzirá 250 mil veículos a menos do que havia previsto antes, o que equivale a um corte de 30%. A Chrysler, terceira maior fabricante americana, disse que necessita de US$ 4 bilhões para sobreviver no primeiro trimestre de 2009. A Ford, a segunda maior do setor no país, disse que não precisa de dinheiro neste momento, mas já solicitou uma linha de crédito especial para o caso de as condições econômicas piorarem ainda mais. Os Estados Unidos estão oficialmente em recessão desde dezembro do ano passado. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.