Senado americano aprova pacote de estímulo de US$ 166 bi

Pacote tem por objetivo evitar uma recessão nos Estados Unidos

Renato Martins, da Agência Estado,

07 de fevereiro de 2008 | 20h05

Após um acordo entre parlamentares democratas e republicanos, o Senado dos Estados Unidos aprovou ontem à noite o pacote de estímulo econômico do governo Bush, que tem por objetivo evitar que o país entre em recessão. O plano já havia recebido o sinal verde da Câmara dos Representantes.  A principal diferença entre o pacote original e o negociado pelos senadores foi a inclusão de 20 milhões de aposentados e 250 mil veteranos com deficiência entre os beneficiados. Originalmente, o valor total do plano era de US$ 146 bilhões. Mas, segundo estimativa da agência Dow Jones, foi elevado para US$ 166 bilhões depois das emendas dos senadores.   A proposta prevê isenções tributárias para empresas (com a intenção de estimular investimentos) e abatimentos tributários para pessoas físicas. A idéia é enviar cheques de US$ 600 a US$ 1.200 para indivíduos e famílias, além de US$ 300 adicionais por criança.   Estão aptos a receber o benefício pessoas cujo salário tenha superado US$ 75 mil no ano passado e casais com ganho conjunto acima de US$ 150 mil também em 2007. Pessoas que não pagam imposto de renda, mas recebam ao menos US$ 3 mil/ano, terão direito a cheques de US$ 300.   Pressionados por deputados do próprio partido, como a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, senadores democratas desistiram da idéia de incluir pessoas desempregadas no plano. Na quarta-feira, os republicanos conseguiram derrubar uma proposta do Comitê de Finanças do Senado que, segundo algumas estimativas, poderia elevar o valor total do pacote a US$ 205 bilhões.   "A melhor coisa para nós é declarar a grande vitória que atingimos, ao estender os cheques para aposentados e veteranos", comentou o presidente do Comitê de Finanças, Max Baucus (democrata eleito por Montana). Ele era o principal responsável pela proposta que incluía os desempregados.   Mais cedo, em depoimento ao Comitê de Recursos da Câmara, o secretário do Tesouro americano, Henry Paulson, disse que estender o benefício de auxílio-desemprego enviaria o "sinal errado" aos mercados financeiros.   Segundo os dados mais recentes, a taxa de desemprego nos EUA está em 4,9%. Durante a última recessão, em 2001, os congressistas esperaram até que essa taxa alcançasse 5,7% antes de votar uma medida para dar aos desempregados uma extensão de 13 semanas no benefício de auxílio-desemprego.   "Entendo que existem níveis diferentes de desemprego em diferentes Estados, (mas) uma taxa de desemprego em 4,9% é baixa em qualquer padrão histórico", afirmou Paulson. Ele também disse que seria um erro estender o benefício considerando aquela média. "Penso que o sinal que enviaremos ao mundo seria errado."  Paulson também afirmou que a crise do setor de moradia permanece sendo o maior risco para a economia. Ele destacou que "a economia dos EUA é diversificada e resiliente (elástica), e nossos fundamentos no longo prazo são saudáveis". Contudo, observou que "não há dúvidas de que essa coisa da moradia é o maior risco para nossa economia neste momento". Ainda assim, o secretário disse acreditar que o país evitará uma recessão.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise nos EUAMercado financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.