Marcos Oliveira/Agência Senado
Marcos Oliveira/Agência Senado

Senado aprova inclusão de proteção de dados na Constituição

Proposta ainda será votada pela Câmara dos Deputados e, se aprovada, a proteção passará a constar entre as garantias individuais previstas pela Constituição Federal

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2019 | 21h58

BRASÍLIA - O Senado Federal aprovou nesta terça-feira, 2, por unanimidade uma proposta que insere a proteção de dados pessoais, inclusive os disponíveis em meios digitais, no rol de garantias fundamentais estabelecido pela Constituição Federal. Agora, a matéria deverá passar pelo crivo da Câmara dos Deputados. A PEC também estabelece a exclusividade da União para legislar sobre a proteção e o tratamento dessas informações.

A proposta foi apresentada pelo senador Eduardo Gomes (MDB-TO) este ano, e relatada pela senadora Simone Tebet (MDB-MS). Da tribuna, a parlamentar destacou que o momento vivido pelo Brasil em torno da proteção de dados é "sensível", fazendo referência ao caso de vazamento de mensagens supostamente trocadas entre a força-tarefa da Lava Jato e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, enquanto era magistrado. 

"Estamos vivenciando agora um momento sensível, que tem mobilizado corações e mentes dos brasileiros, relacionado a uma possível conversa entre duas autoridades e interceptadas de forma ilícita por possível hacker. Este é o exemplo vivo da necessidade de um projeto como este", afirmou a senadora, que é presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Segundo Gomes, a proposta busca assegurar a privacidade de dados pessoais em âmbito constitucional. No ano passado, o ex-presidente Michel Temer sancionou a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que entrará em vigor em agosto de 2020. Seu objetivo é regulamentar o tratamento de dados pessoais de clientes e usuários por parte de empresas públicas e privadas. Com isso, a partir de 2020, qualquer empresa que incluir em sua base informações de seus clientes, por mais básicas que sejam - como nome e e-mail - deve seguir os procedimentos previstos na nova lei.

Na sessão desta terça-feira, os senadores também destacaram a questão comercial envolvida no uso de dados pessoais. "(Ocorre) uma invasão muito rápida, as vezes do ponto de vista comercial, pessoal", pontual a senadora Eliziane Gama. "Quantas vezes acessamos a internet apenas para ver o preço de uma gravata e, imediatamente, os senhores saem vestidos para toda a estação porque, ao acessar uma notícia política, vêm os posts vendendo lojas ou produtos que nem conhecemos?", disse Tebet.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.