Estadão
Estadão

Senado aprova MP que amplia limite de crédito consignado

Limite do empréstimo passou de 30% para 40% da remuneração; Congresso tenta novamente ampliar o limite de comprometimento da renda, após veto da presidente Dilma Rousseff

Ricardo Brito, Isadora Peron, Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S. Paulo

29 Abril 2015 | 17h30

BRASÍLIA - Os senadores aprovaram nesta quarta-feira uma polêmica proposta que amplia o limite do empréstimo consignado de 30% para 40% da remuneração. A nova proposta elevou em mais 10% o comprometimento, apenas para gastos com o cartão de crédito.

A medida pode elevar o desconto compulsório do contracheque à metade do salário ou aposentadoria, se somada outra parcela de 10% referente ao limite de comprometimento permitido para convênios com planos de saúde, farmácias, previdência privada e seguros.

A proposta foi incluída na Medida Provisória 661, que seguirá para a sanção da presidente Dilma Rousseff, e também autorizou o Tesouro Nacional a conceder um empréstimo de R$ 30 bilhões ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A MP agora segue para sanção presidencial.


O aumento do limite do desconto foi incluído pelo deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG) no texto da Medida Provisória. O texto original da MP não tratava da ampliação do limite de empréstimo. Essa é a segunda vez que o Congresso tenta ampliar o limite de comprometimento da renda. Da primeira vez, a presidente Dilma vetou.


Durante a votação, parlamentares reclamaram da inclusão da proposta na MP. "É um contrabando para beneficiar as agências de crédito, para beneficiar o sistema bancário brasileiro. É um contrabando para aumentar o endividamento do trabalhador brasileiro", criticou o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).


Depois da votação, o novo líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), afirmou que vai sugerir à presidente Dilma Rousseff um novo veto para esse ponto da MP. "Nós vamos encaminhar a sugestão de se vetar a emenda, até porque a avaliação nossa é que ela é inconstitucional", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
crédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.