Senado argentino suspende sessão sobre 'retenções'

O vice-presidente da Argentina, Julio Cobos, que também é presidente do Senado, por meio de uma prerrogativa que lhe confere a Constituição, suspendeu a sessão no Senado, na qual a oposição pretendia debater a revogação do decreto presidencial 125. O decreto aumentou e estabeleceu as ''retenções'' - imposto sobre exportações que varia conforme os preços internacionais dos grãos. O polêmico decreto é a origem da atual crise, na qual a Argentina está mergulhada há 97 dias.Na última sexta-feira (dia 13), a oposição solicitou à Cobos a convocação de uma sessão especial para discutir o assunto. Depois da carta aberta emitida pelo vice-presidente no domingo, onde convoca seu governo à reabertura do diálogo e uma participação efetiva do Congresso para ajudar na solução da crise, a expectativa era que Cobos convocaria a sessão. Mas esse gesto lhe custaria a ruptura com sua companheira de chapa, a presidente Cristina Kirchner e seu marido Néstor Kirchner.O vice-presidente não faz parte do círculo de decisões dos Kirchner e foi expulso de seu antigo partido, a Unión Cívica Radical (UCR), há poucas semanas. A expectativa dos analistas era de que Cobos poderia surgir como um protagonista inesperado da crise ao diferenciar-se de Cristina e Néstor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.