Jonathan Ernst/Reuters
Jonathan Ernst/Reuters

coluna

Thiago de Aragão: investidor estrangeiro vê como irreal promessa de Guedes de 4 privatizações em 90 dias

Senado dos EUA aprova pacote de US$ 2 trilhões para combater efeitos do coronavírus

Líder da maioria democrata na Câmara, Steny Hoyer, disse que a Casa avaliará o projeto de lei na sexta-feira, 27

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2020 | 02h49

O Senado dos Estados Unidos aprovou o maior pacote de estímulos econômicos da história recente, enviando um projeto de lei estimado em US$ 2 trilhões para a Câmara de Representantes. O Congresso busca dar a famílias e empresas americanas um escudo financeiro contra os efeitos negativos da pandemia do novo coronavírus.

Senadores aprovaram a proposta após virarem noites em negociações entre o governo de Donald Trump e lideranças partidárias. O líder da maioria democrata na Câmara, Steny Hoyer, disse após a aprovação que a Casa avaliará o projeto de lei na sexta-feira, 27.

Se aprovada, a nova lei disponibilizará empréstimos e outros desembolsos a uma larga fatia da economia, desde pagamentos diretos a americanos até empréstimos a pequenas e grandes empresas.

A proposta também expande o seguro-desemprego para cobrir trabalhadores informais e autônomos, além de repor os cofres estaduais e estender recursos adicionais a operadoras de planos de saúde.

O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, equiparou a medida a "investimento de tempos de guerra". Ele acrescentou: "Não buscamos essa batalha (contra o coronavírus). Não a queríamos. Mas, agora, vamos vencê-la."

A presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi, disse a repórteres na quarta-feira, 25, que ela espera que a Casa debata o projeto de lei no plenário, em uma mudança de declarações anteriores sobre como ela gostaria que a matéria fosse aprovada por unanimidade, o que seria um feito inédito para um projeto de lei tão abrangente.

Na sua conta oficial do Twitter, Trump comemorou a aprovação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.