finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Senado dos EUA chega a acordo para elevar teto de dívida e reabrir governo

Texto ainda precisa passar por votação no Senado e Câmara; acordo prevê a reabertura do governo federal até 15 de janeiro de 2014 e eleva teto da dívida até 7 de fevereiro

Andréia Lago, da Agência Estado,

16 de outubro de 2013 | 13h40

WASHINGTON - Os líderes do Senado anunciaram um acordo para evitar uma crise de dívida nos Estados Unidos e reabrir inteiramente o governo federal, um dia antes de o país atingir o limite de endividamento. O plano, anunciado pelo democrata Harry Reid e pelo republicano Mitch McConnell, financiaria as agências federais até 15 de janeiro de 2014 e estenderia a autorização para o governo tomar empréstimos até 7 de fevereiro.

"O compromisso que alcançamos vai fornecer à nossa economia a estabilidade de que tanto precisa", afirmou Reid em discurso no Senado. McConnell, por sua vez, disse confiar que o acordo vai acabar com o impasse em Washington. Um comitê de negociação separado será encarregado de elaborar planos para soluções fiscais de longo prazo.

O senadores democratas e republicanos correram para completar o acordo e colocá-lo em votação rapidamente. Eles esperam que a Câmara também faça uma votação sobre o plano até o fim do dia, o que evitaria uma crise de crédito no Departamento do Tesouro e reabriria o governo, que está parcialmente paralisado há 16 dias. O Tesouro afirmou que a partir de amanhã terá apenas cerca de US$ 30 bilhões para pagar suas obrigações.

Se todos os 100 senadores concordarem, o plano poderá ir a votação no Senado mais tarde hoje. O senador republicano Ted Cruz, que é um dos principais opositores da lei de reforma da saúde do presidente Barack Obama, afirmou que votará contra o plano, embora não pretenda impedir que seja realizada uma rápida votação sobre o plano no Senado. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
eua

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.