Senado dos EUA discute redução do pacote para US$ 800 bi

Doze senadores sugerem plano para diminuir custo do pacote e focar mais na redução de impostos

Hélio Barboza, da Agência Estado,

06 de fevereiro de 2009 | 08h37

O Senado dos Estados Unidos retoma, nesta sexta-feira, 6, as discussões sobre o pacote de estímulo econômico proposto pelo presidente Barack Obama, depois de os congressistas terem entrado pela noite de quinta no debate sobre o tamanho do pacote. Os líderes do Senado poderão usar os números ruins sobre o mercado de trabalho que serão anunciados nesta sexta para pressionar pelo encerramento do debate.  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise O líder da maioria, o senador democrata Harry Reid, sugeriu na quinta à noite que as negociações em torno do que ele descreveu como "a grande emenda", para reduzir e reestruturar o plano, poderiam abrir caminho para a votação final do pacote como um todo. Reid ameaçou invocar seus poderes para encerrar a discussão, colocando em funcionamento uma série de instrumentos regimentais que podem obrigar a uma decisão final no começo da semana que vem. Doze senadores moderados, de ambos os partidos, estão sugerindo um plano para diminuir o custo total do pacote para cerca de US$ 800 bilhões e colocar mais ênfase nos cortes de impostos. Liderado pela senadora republicana Susan Collins e pelo democrata Ben Nelson, o grupo analisou o projeto em busca de gastos com pouca possibilidade de causar um impacto econômico imediato. A meta de US$ 800 bilhões foi fixada por Collins e Nelson depois que ambos se reuniram, na quarta-feira, com Obama. Na ocasião, o presidente insistiu que o pacote de dois anos tem de ter pelo menos um tamanho suficiente para sustentar a economia em declínio. Na quinta, quando se dirigia para um encontro de deputados democratas em Williamsburg, na Virginia, Obama indicou que aceita o valor de US$ 800 bilhões. "Nosso dado original era aproximadamente na faixa dos 800 (bilhões)", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.