Senado dos EUA quer ouvir Fed sobre venda do Bear

Os legisladores americanos ampliaram hoje o escrutínio sobre a venda do Bear Stearns para o JPMorgan. O presidente do Comitê Bancário do Senado, senador Christopher Dodd (Partido Democrata), convocou para 13 de abril uma audiência que pode envolver depoimentos do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, e do secretário do Departamento de Tesouro, Henry Paulson.Dodd manifestou preocupação com o papel do governo na costura do acordo entre os bancos. "Embora seja imperativo manter a estrutura ordeira de nossos mercados, o acordo entre os dois bancos levanta sérias questões de políticas públicas", disse o senador, em comunicado.Também foram convocados para esclarecimentos o presidente da Securities and Exchange Comission (SEC, órgão regulador do mercado de capitais americano), Christopher Cox, os executivos-chefes do JPMorgan e do Bear Stearns, James Dimon e Alan Schwartz, e o dirigente regional do Fed de Nova York, Timothy Geithner.Dodd classificou o acordo de "arranjo sem precedentes", em menção à decisão do Fed de garantias de até US$ 30 bilhões a eventuais perdas com o objetivo de facilitar o negócio. Ele disse que estava preocupado com o impacto sobre os investidores e os mercados financeiros, bem como com a exposição dos contribuintes a quaisquer perdas derivadas do acordo.Na manhã de hoje, dois altos membros do Comitê de Finanças do Senado, Max Baucus (democrata) e Charles Grassley (republicano), também disseram que buscarão mais informações sobre o acordo. Eles requisitaram documentos, nomes e outras informações ao Fed, ao Tesouro e aos dois bancos. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.