coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Senado e Câmara dos EUA votam pacote de US$ 789 bi na 6ª

Valor foi reduzido de cerca de US$ 820 bilhões para US$ 789 bilhões após acordo na última quarta no Congresso

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

13 de fevereiro de 2009 | 09h59

A Câmara dos Representantes e o Senado dos EUA devem realizar nesta sexta-feira, 13, a votação final do pacote de estímulo econômico. O valor foi reduzido de cerca de US$ 820 bilhões para  US$ 789 bilhões após acordo na última quarta no Congresso.   Veja também: Congresso dos EUA fecha acordo para o polêmico 'Buy American' Entenda o novo plano dos EUA para resgatar bancos De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise   O líder da maioria na Câmara, o democrata Steny Hoyer, disse que a Casa iniciará o debate nesta manhã, com a votação agendada para ocorrer no final do dia. Já o líder da maioria no Senado, o democrata Harry Reid, disse que a votação na Casa ocorrerá à noite. Reid disse, porém, que o Senado manterá o pleito aberto por pelo menos três horas para que o senador democrata Sherrod Brown tenha tempo de chegar a Washington do funeral de sua mãe.   Até agora, somente metade do texto da legislação foi tornada pública. A parte do plano que fala sobre impostos foi divulgada, mas não a parte que trata dos investimentos. As informações são da Dow Jones.   Concessões   O pacote que emergiu da conferência tem cerca de US$ 276,1 bilhões em cortes de impostos e US$ 150 bilhões em gastos em infra-estrutura. Os democratas fizeram várias concessões para garantir o apoio dos três senadores republicanos moderados: reduziram gastos em educação e saúde e o volume de recursos para os estados.   Também foram reduzidos significativamente incentivos fiscais para compras de imóveis e automóveis, que eram propostas republicanas. Mas foi mantido o corte de impostos de US$70 bilhões para a classe média, uma reivindicação republicana que era criticada pela ala mais à esquerda dos democratas, que acusa a medida de não ter efeitos imediatos na economia.    

Tudo o que sabemos sobre:
Pacote econômicoEUAcrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.