Senado pode ter duas CPIs para investigar a Petrobras

Dois requerimentos foram lidos na 6ª: um apura manobra contábil e outro contrato de plataformas

15 de maio de 2009 | 13h37

Duas comissões parlamentares de inquérito (CPIs) sobre a Petrobras poderão funcionar simultaneamente no Senado. Dos dois requerimentos relativos à Petrobras lidos nesta sexta, o mais recente é de autoria do senador Álvaro Dias (PSDB-PR). Pede a investigação da Petrobras e da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e pretende apurar a manobra contábil que resultou em redução de R$ 4 bilhões de impostos e contribuições.

 

Veja também:

link Manobra tucana cria CPI da Petrobras no Senado

link Múcio diz que trabalhará o dia todo para esvaziar CPI

link Governo deve retirar 4 assinaturas a favor de CPI

link Vice-líder do governo no Senado tenta barrar CPI

especialVeja o que será apurado pela CPI da Petrobras

 

O segundo requerimento lido nesta manhã recoloca na pauta uma proposta de setembro 2007, de autoria do senador Romeu Tuma (PTB-SP), e também pede apuração de denúncias de fraudes em licitações promovidas pela Petrobras e de suspeitas de irregularidades em contratos de plataformas. As duas CPIs sobre a Petrobras são autônomas, e uma não inviabiliza a outra.

 

Além das duas CPIs sobre a Petrobras, o primeiro vice-presidente do Senado, senador Marconi Perillo (PSDB-GO), limpou a pauta de requerimentos de mais outras duas CPIs: a do Apagão Intelectual e a da Amazônia. A primeira foi proposta por Cristovam Buarque (PDT-DF) e tem por objetivo analisar as causas estruturais do retrocesso na qualidade do ensino brasileiro. A outra, apresentada por Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), pretende discutir a demarcação da reserva indígena Raposa Terra do Sol e a assistência que a Funasa dá aos indígenas.

 

(Com Eugênia Lopes, de O Estado de S. Paulo, e Agência Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
CPI da Petrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.