Senadora dos EUA quer suspender política para etanol

A senadora republicana do Texas Kay Bailey Hutchison afirmou ontem que irá em breve propor uma paralisação da nova política nacional de biocombustíveis, citando preocupações com o aumento dos preços dos alimentos. Embora não esteja claro se a proposta receberia apoio, já que o Congresso americano aprovou a política com apoio bipartidário, como uma importante doutrina de sua política energética, a ação é uma simbólica oposição política mais ampla contra o etanol.Para atender à "Energy Bill", política aprovada no fim do ano passado, grandes áreas que normalmente seriam destinadas à produção de alimentos estão sendo convertidas para a produção de milho, que serve de matéria-prima para o etanol. A Energy Bill exige um grande aumento na produção de biocombustível - de 7,5 bilhões de galões em 2012 para 36 bilhões em 2022 - com um transição para biocombustíveis avançados que não devem competir com lavouras destinadas à produção de alimentos, na próxima década."Nas últimas semanas, a correlação entre a política de biocombustíveis do governo e a rápida alta dos preços dos alimentos tornou-se inegável", afirmou a senadora em um editorial do periódico Investor''s Business Daily. "O Congresso deve tomar uma atitude", afirmou.De acordo com o relatório mais recente do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a porcentagem de milho usado na produção de etanol comparada com a oferta total da produção dos EUA e as importações irá crescer para quase 22% este ano, em comparação a 17% no ano anterior e 12% dois anos atrás. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.