Marcos Oliveira/Agência Senado
Marcos Oliveira/Agência Senado

Após bate-boca, senadores dão como lido relatório da reforma trabalhista

Relator Ricardo Ferraço (PSDB-ES) confirmou que a votação do projeto está agendada para acontecer na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado na próxima terça-feira, 30

Fernando Nakagawa, Vera Rosa, Júlia Lindner e Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2017 | 16h07

Após muito bate-boca e confusão, os senadores da base do governo conseguiram uma saída para completar a leitura do parecer da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) nesta terça-feira, 23. O relator Ricardo Ferraço (PSDB-ES) deu o parecer como lido e confirmou que a votação no colegiado está agendada para a próxima terça-feira, 30.

"Dei o relatório como lido e foi concedida vista. A tendência é que a votação seja já na próxima terça-feira. O calendário da reforma trabalhista está absolutamente mantido", afirmou Ferraço.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e o vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), deixaram a sala da comissão confirmando a decisão da base de dar o relatório como lido. Os senadores foram perseguidos nos corredores do Senado por manifestantes aos gritos de "golpistas".

"Dar como lido não é ler. Não consideramos a leitura do relatório", afirmou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Ele e a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) afirmaram que vão buscar solução regimental para entrar com recurso ao plenário da leitura do relatório.

Discussão. Os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Ataídes Oliveira (PSDB-TO) quase partiram para as vias de fato durante a sessão . Um recurso de Randolfe que poderia atrasar os trabalhos havia acabado de ser rejeitado por parlamentares por 13 votos a 11.

Os ânimos estavam exaltados na primeira discussão no Congresso após a crise política deflagrada pelas delações de executivos da JBS. Relator da proposta, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) se preparava para ler seu parecer quando a confusão começou. O documento, porém, foi publicado na internet durante a confusão e Ferraço o deu como lido. 

INFOGRÁFICO: Reforma trabalhista altera 100 pontos da CLT; entenda principais mudanças

O recurso de Randolfe questionava o fato de o parecer de Ferraço não ter sido previamente apresentado a deputados, como prevê o regimento. O requerimento foi rejeitado por pequena margem de votos. 

COLUNA DO ESTADÃO: Governistas criticam invasão da oposição na CAE do Senado

A confusão começou quando Randolfe virou-se para o colega Ataídes e gritou: "Vocês estão sustentando um governo corrupto, mas nós não vamos aceitar isso." Visivelmente irritado, Ataídes  partiu para o ataque. "Você é bandido e vagabundo", respondeu o tucano.

Randolfe reagiu, usando os mesmos termos. "Bandido é você! Vagabundo é você! Me respeite!", bradou. "Vou te pegar lá fora, moleque, vagabundo!", devolveu Ataídes.

 

 

Deputados chegaram a subir na mesa durante a discussão. No fundo da sala, manifestantes gritavam "Fora, Temer!", "Golpistas" e "Jucá na cadeia". O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), mostrava-se impassível. "O próximo passo é queimarem pneus aqui dentro!", afirmou Jucá. "A oposição está desesperada."

 

 

O senador  Lindbergh Farias (PT-RJ) disse que o governo de Michel Temer acabou. "Todo mundo aqui dentro sabe que o Temer caiu. A questão é saber quando e de que forma ele vai sair", concluiu o petista.

Além da CAE, a reforma trabalhista precisa passar pelas comissões de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ) e de Assuntos Sociais (CAS) antes de ser votada em plenário, onde precisa da maioria simples dos votos para ir à sanção presidencial. Caso seja rejeitado em alguma dessas etapas, o projeto será arquivado.

Parecer. Em meio à confusão que se instalou na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, o relatório produzido por Ricardo Ferraço (PSDB-ES) foi publicado na página da CAE na internet. O parecer pede a aprovação do texto vindo da Câmara dos Deputados, mas sugere alterações em alguns pontos por veto presidencial ou edição futura de medida provisória.

O documento de 74 páginas confirma a estratégia de avançar com o texto no Senado sem alterar o projeto aprovado na Câmara. Para incluir as alterações sugeridas pelos senadores, o parecer de Ferraço sugere ajustes fora da Casa - com a necessidade de atuação do Palácio do Planalto.

“Concertamos junto ao Poder Executivo que alguns itens da proposta em tela devem ser vetados, podendo ser aprimorados por meio da edição de medida provisória que contemple ao mesmo tempo o intuito do projeto aprovado na Câmara dos Deputados e o dever de proteção externado por muitos parlamentares”, cita o parecer divulgado por Ferraço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.