Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Senadores falam em colocar 'pé no freio' na reforma tributária

Sem consenso, senadores admitem que será impossível concluir uma reforma neste ano

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

11 de outubro de 2019 | 14h29

BRASÍLIA - Sem consenso entre governo federal, Congresso, governadores e prefeitos, senadores decidiram colocar o pé no freio na reforma tributária. Na Casa, um relatório sobre a proposta chegou a ser apresentado e está pronto para votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), mas os senadores admitem que será impossível concluir uma reforma neste ano.

"Não podemos contar com uma reforma tributária este ano", afirmou a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Simone Tebet (MDB-MS) ao Estadão/Broadcast. "Há uma briga entre Câmara e Senado. Vão acabar criando uma comissão mista e esquecer esse assunto", disse a senadora. A expectativa de Simone Tebet é que será possível aprovar apenas uma proposta simplificada, a ser enviada pelo governo, para mexer em benefícios tributários.

A proposta que tramita no Senado cria o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS). O relator do texto, Roberto Rocha (PSDB-MA), dividiu o imposto em duas partes, adotando o chamado IVA (Imposto sobre Valor Adicionado) dual: um com a fusão dos cinco impostos e contribuições federais (IPI, Cofins, PIS, IOF e salário-educação) e outro com a junção do ICMS (estadual) e do ISS (municipal). Alem disso, cria um imposto sobre bens e serviços específicos (Imposto Seletivo), de competência federal.

A Câmara discute outra proposta, esta também criando o IBS, mas com a extinção de menos impostos: três tributos federais (IPI, PIS e Cofins), o ICMS, que é estadual, e o ISS, municipal. A proposta da Câmara não prevê incentivos e desonerações. Já a que tramita no Senado isenta de imposto alguns produtos e serviços, como medicamentos, alimentos e saneamento.

A ideia de colocar a reforma em "banho-maria" já havia sido exposta por senadores. "A iniciativa da reforma tributária pode tudo, só não pode ser açodada, só não pode ser precipitada. Ela tem que amadurecer em um amplo e profundo debate", afirmou o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), durante sessão da Casa na última quarta-feira, 9, citando um comentário do senador José Serra (PSDB-SP).

Serra tem afirmado que a reforma tributária pode aumentar a carga tributária, causando um efeito inverso ao pretendido, com os conflitos regionais de Estados e municípios. "Eu jamais reabriria de novo o capítulo da reforma tributária, porque eu acho que dá bobagem, porque todo mundo vai querer resolver tudo a partir do contexto da reforma tributária", afirmou o tucano em uma das audiências públicas sobre a proposta na CCJ.  "Para que a reforma tributária? Para pagarem menos imposto? Não. Vai aumentar a carga tributária."

A percepção de esperar mais para uma reforma tributária foi manifestada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Na quinta-feira, 10, Guedes afirmou que o governo do presidente Jair Bolsonaro já foi capaz de retirar alguns "arpões" que feriam a economia brasileira, mas ainda falta retirar os "arpões dos impostos". "A reforma tributária é importantíssima, mas não podemos por urgência fazer mal feita".

CÂMARA X SENADO

Entenda as diferenças entre as propostas de reforma tributária das duas Casas

UNIFICAÇÃO

  • Senado - IPI, PIS, Cofins, IOF, CSLL, Cide, Salário Educação (federais); ICMS (estadual); ISS (municipal).
  • Câmara - IPI, PIS, Cofins (federais), ICMS (estadual), ISS (municipal).

ALÍQUOTAS

  • Senado - Definidas por cada Estado e município.
  • Câmara - Definição pelo Comitê Gestor do IBS.

IMPOSTO SELETIVO COM ALÍQUOTAS DIFERENCIADAS

  • Senado - Bebidas alcóolicas e não-alcoólicas, fumo, veículos, comunicações, energia elétrica, petróleo e gás natural.
  • Câmara - Fumo e bebidas alcoólicas.

INCENTIVOS E DESONERAÇÕES

  •  Senado - Imposto zero para remédios e alimentos. Outros incentivos definidas por cada Estado e município.
  • Câmara - Não prevê incentivos e desonerações.

TRANSIÇÃO ATÉ NOVO MODELO

  • Senado - 15 anos
  • Câmara - 10 anos, além de 50 anos para compensar eventuais impactos a Estados e municípios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.