'Sentido', Abilio passa o controle do Pão de Açúcar

Em discurso emocionado, Abilio Diniz oficializa Casino como novo controlador do grupo e diz que está pronto para 'seguir em frente'

VANESSA STECANELLA, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2012 | 03h09

O empresário Abilio Diniz passou ontem oficialmente o controle da rede Pão da Açúcar, fundada há mais de 60 anos por seu pai, Valentim dos Santos Diniz, para o grupo francês Casino. Ontem à tarde, na assembleia que reuniu acionistas do grupo, Abilio se emocionou. Ainda na condição de presidente do conselho de administração da rede - cargo que ele continuará ocupando - fez questão de afirmar que vai defender o grupo "de forma intransigente".

"Muitas pessoas que trabalham comigo vão achar estranho a leitura de um pronunciamento, mas não quero ser traído pela emoção, por isso, preferi eu mesmo escrever um pensamento", disse. "Sou forte, Deus tem me protegido, estou pronto para seguir em frente. Não sei como ainda, mas estou pronto", afirmou. "Estou aqui para provar que contratos devem ser cumpridos, como meu pai sempre disse: combinou, cumpra. Estou sentido, mas aqui não é o momento para desabafos."

A passagem do controle do grupo para o Casino ocorreu numa outra reunião, pela manhã. O presidente do Casino, Jean-Charles Naouri, assumiu a presidência do conselho de administração da Wilkes, a holding que controla o Pão de Açúcar.

À tarde, na assembleia de acionistas do grupo, três nomes indicados pelo Casino foram eleitos para o conselho. Com isso, os franceses passaram a ter oito conselheiros, em vez de cinco. Abilio, que tinha o mesmo número de cadeiras, passou a deter três. Além disso, há quatro conselheiros independentes. A repórter da Agência Estado participou da assembleia, após comprar três ações do Pão de Açúcar.

Em nota, Naouri declarou estar "muito feliz e orgulhoso" pelo novo papel que a rede francesa terá na companhia. O empresário afirmou que manterá a identidade da empresa e sua cultura brasileira, além do apoio à diretoria do grupo, liderada por Enéas Pestana. "O objetivo é reforçar a posição de liderança do GPA (Grupo Pão de Açúcar)", disse.

O acordo que permitiu ao Casino assumir o controle do Pão de Açúcar foi fechado em 2005, quando o grupo francês, que já era sócio de Abilio, fez um novo aporte de US$ 900 milhões. Criou-se então uma holding, a Wilkes, controlada igualmente por Abilio e pelo Casino, mas o acordo já previa que, este ano, a rede francesa teria o direito de assumir o controle.

Crise. A convivência entre as partes se revelava bastante pacífica até o ano passado, quando Abilio Diniz anunciou seu projeto de unir as operações do Grupo Pão de Açúcar com o Carrefour, mudando a estrutura de capital da companhia. Dizendo-se traído por não ter sido avisado sobre as negociações, Naouri não concordou com a proposta e as relações entre as partes azedaram.

Agora como minoritário, Abilio afirmou que será um acionista intransigente. "Tudo farei para que os nossos princípios e valores sejam respeitados. Não posso exigir que os novos comandantes o exerçam à minha maneira, mas posso pedir que não esqueçam que esta é uma empresa familiar. Não porque foi fundada e pertenceu a uma família, mas porque é uma família para quem trabalha nela", disse o empresário, que ao final do discurso foi aplaudido de pé.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.