Sentimento econômico da Alemanha tem maior queda desde 1998

O sentimento do analista e do investidor alemão caiu em junho no ritmo mais rápido desde outubro de 1998 diante de preocupações sobre a saúde do setor bancário da Espanha e incertezas sobre o resultado da eleição na Grécia, de acordo com pesquisa do instituto econômico ZEW.

REUTERS

19 de junho de 2012 | 08h58

A pesquisa mensal sobre o sentimento econômico do ZEW caiu para -16,9, abaixo de todas as projeções coletadas para a pesquisa da Reuters e somando-se a sinais de que a Alemanha, cuja riqueza é central para gerar crescimento e financiar resgates na zona do euro, está começando a sentir a dor do bloco monetário.

O número despencou de 10,8 em maio e veio bem abaixo da projeção central para um recuo para 4,0.

"Foi realmente uma surpresa para mim tal recuo enorme", disse o economista do ZEW, Michael Schroeder. "Isso não é apenas uma flutuação mensal, essa mudança é realmente muito grande para ser interpretada dessa forma."

Schroeder acrescentou que a queda nas exportações e a desaceleração do crescimento na Europa e na Ásia contribuíram para o declínio.

(Reportagem de Christiaan Hetzner e Sakari Suoninen)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROALEMANHACONFIANCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.