Brendan Mcdermid/Reuters
Brendan Mcdermid/Reuters

S&P diz que reformas são necessárias para Brasil retomar grau de investimento

"Olhamos as medidas práticas e não só as promessas", afirmou a Diretora da S&P, Lisa Schineller

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

02 Março 2018 | 13h58

RIO - O Brasil só conseguirá retomar o grau de investimento se "melhorar a questão do crescimento e se tratar o desafio fiscal de forma mais acelerada", segundo a diretora da S&P Global Ratings, Lisa Schineller. "Olhamos as medidas práticas e não só as promessas", acrescentou, ao participar do evento 'Latin America Investment', no Rio.

Segundo a executiva a revisão da atual nota de crédito soberano atribuída ao País, BB-, "vai depender muito da classe política". Em sua palestra, Lisa destacou as incertezas que envolvem as eleições deste ano. Portanto, pesam contra o Brasil a economia, a vulnerabilidade fiscal e a dificuldade do atual governo de acelerar as reformas, além do cenário político de curto prazo. 

+ Meirelles diz que Moody’s pode rebaixar rating do Brasil porque Previdência não foi aprovada

Em contrapartida, a diretora da S&P destacou como positivo o funcionamento de instituições fiscalizadoras, como o Tribunal de Contas da União (TCU) e a "imprensa livre". Ela ainda elogiou a relação entre endividamento e reservas e a política de câmbio flutuante. 

+ Comissão da Câmara analisará privatização da Eletrobrás no dia 6

A projeção para os países da América Latina, incluindo o Brasil, é de manutenção das atuais classificações nos próximos meses. "O desafio para o Brasil é que o governo não pode aumentar impostos. A solução está no controle rígido dos gastos, estar em conformidade com o teto dos gastos", disse Lisa, acrescentando que, além disso, o País tem crescido menos que vizinhos latino-americanos. "A avaliação da estrutura econômica é de fraqueza", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.