finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

S&P e Moody''s vêem América Latina preparada para passar crise

Os mercados da AméricaLatina estão sofrendo com os problemas do setor de créditoimobiliário de alto risco dos Estados Unidos, mas a região estámelhor posicionada para enfrentar crises e as avaliações decrédito dos emissores de dívida dos países não devem serafetadas, disseram duas importantes agências de classificaçãode risco. "A América Latina está melhor preparada para resistir achoques externos, uma vez que a região implementou mudançasestruturais para fortalecer os fundamentos econômicos", afirmoua Moody''s em nota. Segundo a agência, outro ponto é que atualmente os paísesda região conseguem crescer com base na demanda interna. A Standard & Poor''s, por sua vez, disse que as entidadescorporativas, bancárias e seguradoras da região têm exposição"insignificante" a instrumentos financeiros relacionados aosempréstimos hipotecários de alto risco dos EUA, os chamadossubprime. "Portanto, nem mudanças nos preços do mercado nem perdaspotenciais de crédito no setor subprime dos EUA... podem afetaressas entidades", avaliou a S&P. Segundo a Moody''s, a turbulência deve continuar por maisalgum tempo, mas a agência ressaltou que a crise iniciou-se emuma economia desenvolvida, com maior poder de reação. "Embora a magnitude do problema do mercado subprime dos EUApossa superar as crises financeiras da Ásia e da América Latinana década passada... nesses episódios anteriores, o epicentroera um país emergente, com menor capacidade de reagir econtra-atacar a crise." Atualmente, acrescentou a Moody''s, a capacidade do sistemade suportar uma ação coordenada e dar fim à crise é "muitomaior". Mas a região não irá passar imune à crise que vem gerandoqueda nos mercados financeiros mundiais e levando osinvestidores para ativos menos arriscados, segundo as agências. Nesta quinta-feira, a Bovespa operava abaixo dos 47 milpontos, depois do recorde atingido em julho de 58 mil pontos. Odólar subia 3,5 por cento e era negociado a 2,102 reais. (Por Walter Brandimarte e Vanessa Stelzer)

REUTERS

17 de agosto de 2007 | 00h05

Tudo o que sabemos sobre:
NEGOCIOSMACROLATAMAGENCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.