S&P: proposta para dívida grega causa moratória seletiva

A agência de classificação de risco Standard & Poor''s afirmou hoje que a reestruturação da dívida grega proposta pelo Conselho Europeu em 21 de julho deverá levar a um default seletivo (moratória seletiva) dentro dos padrões de sua metodologia. "Consideramos a reestruturação, tendo por base as declarações dos líderes europeus, irá resultar em perdas para os credores comerciais".

CYNTHIA DECLOEDT, Agencia Estado

27 de julho de 2011 | 15h08

A S&P explica que nas opções de troca da dívida, "entendemos que os novos bônus com desconto serão oferecidos em troca dos existentes a um valor equivalente a 80% do par e pagará juro efetivo aos investidores de 7,17% e 7,69% para os bônus com vencimento em 15 anos e 30 anos, respectivamente". Outra opção seria de os investidores trocarem seus papéis por novos bônus de 30 anos ao par, para receber juro de 4,6%. O Instituto de Finanças Internacional está propondo um fundo de recompra de 40 bilhões de euros para recomprar bônus gregos no mercado secundário com um desconto em média inferior a 40% do valor de face.

"Em nossa opinião, os termos da troca e das opções de rolagem parecem desfavoráveis para os investidores", diz a agência. Segundo a S&P, os prazos oferecidos nos novos bônus são mais longos do que os vencimentos dos bônus atuais e aos prazos que a Grécia poderia emitir atualmente, e as taxas de juro oferecidas são inferiores as disponíveis no mercado secundário, o que, justifica caracterizar a proposta como default seletivo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
GréciadívidamoratóriaS&Prisco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.