S&P reafirma rating AA+ dos EUA; perspectiva estável

A Standard & Poor''s reafirmou o rating de crédito de longo prazo dos EUA em AA+ e o rating de crédito de curto prazo do país em A1+. A perspectiva dos ratings é estável. Os ratings dos EUA são não solicitados.

Agência Estado

06 de junho de 2014 | 15h28

Segundo a S&P, "os ratings de crédito soberano dos EUA são apoiados pela resiliência e diversidade de sua economia, seu vigor institucional, a flexibilidade extensiva de sua política econômica (inclusive sua gestão durante a crise financeira global de 2008/09, particularmente sua política monetária inovadora) e seu status único de emissor da principal moeda de reserva do mundo. Um grau mais alto de intransigência política nos últimos anos, que complica o processo de tomada de decisões políticas, resultando em uma capacidade bastante enfraquecida para implementar reformas, restringe os ratings. A carga da dívida geral do governo duplicou desde 2007. Embora ela esteja projetada para se manter estável ao longo dos próximos anos, nós, junto com muitos outros observadores, esperamos que a carga da dívida geral do governo cresça até o fim da década, na ausência de medidas para levantar receita adicional e/ou cortar os gastos não discricionários".

A agência observa que "com um PIB per capita de US$ 54.750 em 2014, os EUA estão em 14º lugar entre os 129 emissores soberanos que a S&P classifica em termos de nível de renda" e que o potencial de crescimento no longo prazo declinou e "é provável que esteja mais perto de 2% do que de 2,5%, refletindo uma população em envelhecimento (o que contribui para uma participação na força de trabalho no nível mais baixo em 36 anos) e ganhos de produtividade diminuídos na última década, em comparação com a média do pós-guerra".

A S&P também diz que "o rating AA+ já incorpora, em nossa opinião, a capacidade menor dos dirigentes eleitos dos EUA para reagir de maneira rápida e eficaz a pressões sobre as finanças públicas no prazo mais longo, em comparação com dirigentes de alguns soberanos com ratings mais altos,o que inclui a perspectiva de debates divisivos e repetidos sobre a elevação do teto da dívida". A perspectiva estável "incorpora nossa opinião de que há uma probabilidade menor do que 1/3 de que mudaremos os ratings ao longo dos próximos dois anos". Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUARATINGS&P

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.