Juca Varella
Juca Varella

S&P rebaixa nota de construtora da Odebrecht

Segundo a agência, companhia enfrenta forte risco de reputação, o que se reflete no fluxo de caixa e na liquidez da empresa

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2016 | 23h28

A agência de classificação de risco Standard&Poor’s (S&P) rebaixou a nota de crédito da Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) devido à forte queda do fluxo de caixa e da carteira de obras. Com o envolvimento na Operação Lava Jato, que investiga corrupção em contratos da Petrobrás, a capacidade comercial da empresa e sua competitividade no mercado têm sido colocadas em xeque.

Para a S&P, mesmo com o caso de corrupção resolvido, há dúvidas quanto ao efeito sobre a reputação da construtora. Um dos fundamentos usados pela agência para rebaixar o rating da empresa foi a redução da carteira de obras de US$ 33 bilhões em 2014 para US$ 22 bilhões em junho deste ano, “em função dos riscos de reputação e das perspectivas econômicas fracas nos principais países onde a empresa opera”.

Mercados. O portfólio de projetos da construtora está fortemente exposto a economias voláteis que estão atravessando períodos difíceis. Isso deverá prejudicar a geração de fluxo de caixa e a alavancagem da empresa no futuro, diz a S&P. Segundo ela, as operações da Odebrecht em seus principais mercados, como Brasil, Venezuela e Angola, enfrentam forte incerteza sobre o ritmo de crescimento futuro.

Para piorar a situação, a qualidade de crédito dos clientes também tem reflexos negativos no caixa da empresa. Com a demora na liberação de crédito pelos bancos privados e pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o início ou a continuidade das obras têm demorado mais e, consequentemente, reduzido o ritmo de entrada de dinheiro no caixa da construtora. Pelos cálculos da agência americana de classificação de riscos, a receita líquida da Odebrecht Engenharia e Construção deve recuar entre 65% e 70% neste ano. “Vemos a liquidez da OEC como menos que adequada”, diz a agência.

A liquidez poderá enfraquecer ainda mais dependendo do montante final das multas resultantes da investigação de corrupção e do cronograma de pagamento. “Também não podemos descartar um cenário de reestruturação de dívida no futuro se as perspectivas de negócios para a OEC permanecerem difíceis, apesar de acreditarmos que a empresa ainda tenha folga para recuperar seus negócios antes do vencimento de grande parte de sua dívida (após 2024)”, diz a agência no comunicado de rebaixamento da nota da empresa.

Segundo a S&P, novas revisões poderão ser feitas se o grupo não chegar a um acordo final sobre o esquema de corrupção na Petrobrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.