Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

S&P rebaixa rating da dívida da Itália

A agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) divulgou em um comunicado na noite de ontem ter rebaixado o rating de longo prazo da dívida soberana da Itália para A, de A+, e o rating de curto prazo para A-1, de A-1+, atribuindo perspectiva negativa para ambos.

GUSTAVO NICOLETTA , O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2011 | 06h09

"O rebaixamento reflete nossa visão de enfraquecimento na perspectiva de crescimento da Itália e também a visão de que a frágil coalizão do governo italiano e as diferenças políticas dentro do Parlamento vão continuar limitando a capacidade do governo para responder de forma decisiva aos ambientes macroeconômicos doméstico e externo", disse a S&P.

A agência divulgou também que a perspectiva negativa para os ratings reflete os riscos de o governo italiano não cumprir as metas fiscais para o período que vai de 2011 a 2014, assim como as dúvidas sobre se as medidas de estímulo ao crescimento serão implementadas no prazo.

Segundo a S&P, o governo da Itália acredita que o programa de ajuste fiscal para os próximos anos resultará numa consolidação de aproximadamente € 60 bilhões até 2014. A agência, no entanto, acha que a expectativa dos italianos está muito alta e citou três motivos para isso - o crescimento potencialmente mais lento da economia do país, o fato de quase dois terços do plano de ajuste fiscal ser baseado em aumentos de impostos e, por último, a provável elevação nas taxas de juros do mercado nos próximos meses.

Apesar disso, "caso o governo consiga obter apoio político suficiente para implementar as medidas de estímulo ao crescimento e, dessa forma, fortalecer a perspectiva de redução material na dívida pública no médio prazo, podemos afirmar os ratings nos níveis atuais", disse a S&P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.