Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Ser a 5ª economia do mundo é desafio para o Brasil, diz Lula

Para o presidente é necessário mais crédito e desonerações em alguns setores para incentivar o consumo

Agência Estado,

26 de outubro de 2009 | 08h25

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que ser a quinta economia do planeta é um "desafio" para o Brasil. No programa semanal de rádio "Café com o Presidente" que foi ao ar nesta segunda-feira, 26, Lula referiu-se a um estudo do Banco Mundial (Bird) segundo o qual, se o País continuar a crescer, pode em 2016, ano dos Jogos Olímpicos do Rio, ser a quinta nação mais rica do mundo.

 

"É um desafio que está colocado para nós. Então, nós precisamos fazer as coisas corretas, sabe, nós não temos de fazer nenhuma invenção e nenhuma mágica", afirmou. De acordo com o presidente, é preciso mais crédito e fazer desoneração de impostos para incentivar o consumidor brasileiro a comprar o que ele ainda não tem.

 

Lula afirmou que, ao se criar condições para que o cidadão compre casa, televisão, geladeira, fogão, máquina de lavar roupa e carro, para citar alguns exemplos, gira-se a economia do Brasil. O presidente disse estar convencido de que o País está no caminho certo porque a economia, a indústria e o comércio crescem. Além disso, disse, cria-se emprego e aumenta-se a massa salarial. "O que o Brasil precisa é ter vários anos de crescimento consecutivo para que a gente possa gerar mais empregos, para que a gente possa gerar mais renda, aumentar os ganhos dos trabalhadores, porque aí a sociedade vai ter mais poder de consumo, as empresas vão produzir mais e nós vamos gerar mais empregos", declarou.

 

Esse círculo, afirmou Lula, é uma "roda-gigante" que não pode parar nunca. "Ela tem de continuar girando para que a gente possa recuperar o atraso a que o Brasil foi submetido nas décadas em que ele não conseguiu se desenvolver." Ao comentar os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre emprego, que mostram desemprego de 7,7% em setembro - o mesmo de setembro de 2008 -, o presidente disse que os números o deixam "muito satisfeito". "Acho que eles só tendem a melhorar daqui para a frente."

 

Inovação

 

Lula também pediu que os empresários brasileiros invistam em inovação para gerar mais empregos. Ele recebeu, na sexta-feira, 23, um plano de ação proposto por empresários para dobrar o número de empresas inovadoras no país, hoje estimado em 30 mil. 

Ele citou como exemplo de inovação que deu certo os serviços de entrega de pizza. “Há pouco tempo atrás, para comer uma pizza, você tinha que sair de casa e ir numa pizzaria. Hoje, você pega o telefone e liga. Inovaram com milhares de motocicletas e um dispositivo em que cabe a pizza direitinho lá. Isso melhorou muito a venda de pizza e a lucratividade do empresário, gerando, inclusive, mais empregos”, disse.

O presidente destacou que os empresários precisam utilizar os recursos para financiar a inovação disponíveis no Ministério da Ciência e Tecnologia e no BNDES e afirmou que o Sebrae ajudará nesse processo, “ensinando às pessoas o que é inovação e como é que elas têm que procurar os recursos para conseguir inovar”. 

Tudo o que sabemos sobre:
inovaçãoempresasempresários

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.