Será árduo o caminho de recuperação da indústria

Inflação em queda e forte redução dos juros ajudarão muito

O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2017 | 03h00

A gravidade da crise da indústria entre 2014 e 2016 aparece no Indicador do Nível de Atividade (INA) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que aponta uma queda de 19,7% no triênio. Mas tanto a Fiesp, que avalia só a indústria paulista, quanto a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV), em âmbito nacional, acreditam que 2017 será ano de recuperação e revelam que o bimestre novembro/dezembro já mostrou indícios de retomada.

“Nossa projeção ao final de janeiro é de que 2017 possa trazer um crescimento de 1,2% para a indústria de transformação”, disse Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp e Ciesp. Entre novembro e dezembro, o INA – que avalia vendas reais, horas trabalhadas na produção, salários e utilização da capacidade instalada – subiu 4,1%, maior avanço desde junho de 2008.

Os Indicadores Industriais da CNI mostraram que o faturamento do setor caiu 12,1% entre 2015 e 2016, mas entre novembro e dezembro do ano passado houve ligeiras altas, na série dessazonalizada, no faturamento real (+0,1%), nas horas trabalhadas na produção (+1%) e no emprego (+0,2%). O gerente executivo de política econômica da CNI, Flavio Castelo Branco, afirmou que alguns fatores – como a confiança – “hoje justificam expectativa mais favorável” para 2017.

Uma boa medida está no Índice de Confiança da Indústria (ICI), da FGV, que subiu 4,3 pontos entre dezembro e janeiro e chegou ao maior patamar desde maio de 2014. “Com a alta expressiva de janeiro, o ICI recupera o terreno perdido após setembro, quando o desapontamento com a evolução dos negócios no segundo semestre interrompeu a tendência de alta que vinha sendo observada no ano passado”, notou o superintendente de Estatísticas Públicas, Aloisio Campelo Junior.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmou a melhora: a indústria cresceu 2,3% entre novembro e dezembro, após cair 6,6% entre 2015 e 2016.

É árduo o caminho da recuperação da indústria, mas inflação em queda e forte redução dos juros ajudarão muito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.